Print Sermon

O objetivo deste site é fornecer gratuitamente manuscritos e vídeos de sermões para pastores e missionários em todo o mundo, especialmente no Terceiro Mundo, onde há poucos ou nenhum seminário teológico ou escolas bíblicas.

Estes manuscritos, como também os vídeos dos sermões agora alcançam anualmente cerca de 1.500,000 computadores em mais de 221 países através do site: www.sermonsfortheworld.com. Centenas de outras pessoas assistem os vídeos noYouTube, mas rapidamente deixam o YouTube, pois cada vídeo os redireciona para nosso website. O YouTube redireciona as pessoas para nosso website. Os manuscritos dos sermões são traduzidos para 42 idiomas para cerca de 120.000 computadores mensalmente. Estes sermões manuscritos não estão protegidos por direitos autorais, para que, assim, pregadores possam usá-los sem nossa autorização. Clique aqui para saber como fazer uma doação mensal para ajudar-nos nesta grande obra de divulgar o Evangelho para todo o mundo.

Ao escrever para Dr. Hymers, mencione sempre o país onde você vive, caso contrário ele não poderá responder-lhe. O email do Dr. Hymers é rlhymersjr@sbcglobal.net.




LÁGRIMAS NA ORAÇÃO

TEARS IN PRAYER
(Portuguese)

Dr. Christopher L. Cagan

Um sermão pregado no Tabernáculo Batista de Los Angeles
Noite do Dia do Senhor, 2 de junho de 2019
A sermon preached at the Baptist Tabernacle of Los Angeles
Lord’s Day Evening, June 2, 2019

“O qual, nos dias da sua carne, oferecendo com grande clamor e lágrimas, orações e súplicas ao que O podia livrar da morte, e foi ouvido quanto ao que temia”. (Hebreus 5:7)


Nosso texto refere-se a Jesus quando, na noite antes de ser crucificado, orava no Jardim do Getsêmani. Ele estava sob grande pressão quando, ali o nosso pecado foi sobre Ele colocado, para carregar em Seu corpo até à Cruz no dia seguinte. O Evangelho de Lucas nos diz:

“E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue que corriam até ao chão” (Lucas 22:44).

Cristo orou "em agonia" naquela noite. Nosso texto diz que Ele “ofereceu orações e súplicas, com grande clamor e lágrimas”. A oração de Jesus foi uma oração cheia de emoção e sentimento, choro intenso e lágrimas. Esta noite quero falar sobre emoção e sentimento na oração.

+ + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + +

NOSSOS SERMÕES AGORA ESTÃO DISPONÍVEIS
EM SEU TELEFONE CELULAR.
VISITE NOSSO SITE: WWW.SERMONSFORTHEWORLD.COM.
CLIQUE NO BOTÃO VERDE COM A PALAVRA "APP".
SIGA AS INSTRUÇÕES QUE APARECERÃO.

+ + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + +

I. Primeiro, falsa oração com sentimento.

Muitos pentecostais e carismáticos pensam que grito, choro, emoção e sentimento são partes essenciais da oração. Eles crêem que o grito e o choro significam que o Espírito Santo está na oração, e se não há grito e pranto, o Espírito Santo não está presente. Eles dizem isso não apenas sobre a oração, mas sobre como as pessoas agem quando cantam, quando ouvem um sermão e quando fazem tudo o que acontece na igreja. Mas eles estão errados. Emoção por si só não significa nada. Pode até subtrair da oração. Pode até ser demoníaco.

Deixe-me dar um exemplo na Bíblia de falsas emoções na oração. Elias confrontou os profetas de Baal. Ele lhes disse que passassem um dia clamando a Baal, enquanto ele oraria ao Deus de Israel. O Deus que respondesse por fogo mostraria que Ele era o verdadeiro Deus. Os profetas de Baal ficaram eufóricos e emotivos em suas orações. Cairia muito bem em muitas igrejas hoje! Eles “invocaram o nome de Baal de manhã até o meio-dia, dizendo: Ó Baal, responde-nos. Mas não houve voz nem alguém que respondesse. E saltavam sobre o altar que foi feito ”(I Reis 18:26). De tarde clamaram com grande voz e retalharam-se com facas e lancetas, conforme o seu costume, até derramarem sangue sobre si. (I Reis 18:28). Mas “não havia voz nem resposta alguma” (I Reis 18:29). Então Elias fez uma simples oração a Deus, e Deus enviou fogo do céu. A emoção demoníaca, os saltos, o grito e o choro e todo o resto, não foram de qualquer benefício aos falsos profetas. Emocionar-se por si só não significa nada.

Eu já testemunhei emoção por si só muitas vezes. Isso nunca adiantou nada. Uma vez eu estava aconselhando uma garota na sala de aconsselhamentoo, tentando levá-la a Cristo. Ela continuou chorando e tremendo sem parar. Quando eu lhe perguntei, ela me disse que estava chorando por seus pecados, mas nunca passou daquele choro para Jesus. Ela nunca focou sua atenção em Cristo. Ela nunca foi salva. Mais tarde, ela deixou a igreja e entrou em uma vida de profundo pecado.

Algumas pessoas são muito emotivas. Eles se emocionam e choram por qualquer coisa. Eu me lembro de uma outra moça que fez exatamente isso. Não era apenas após um sermão, ou quando ela era aconselhada a confiar em Cristo. Era em qualquer hora. Ela explodia em lágrimas a chorar. Ela não conseguia por seu foco em Cristo, na igreja ou na Bíblia. Um dia ela se entristeceu. Ela seguiu seus sentimentos e abandonou a igreja. Eu nunca mais a vi.

Chorar e prantear não torna nada em "realidade". Isso não torna a oração mais real. Tentar forçar choro ou clamor não traz nenhum resultado. Ao orar, pense naquilo que está orando. Você pode orar com lágrimas ou sem lágrimas. Jesus mostrou emoção no Jardim do Getsêmani. Ele orou "com forte choro e lágrimas". Mas não estava chorando por si mesmo. Suas lágrimas não fizeram Sua oração ser melhor. Suas lágrimas vieram por cause de Sua oração. Elas fluíram de Sua oração. Ele clamou a Deus em sua angústia, em sua pressão e dor, ao ser colocado sobre Ele o pecado da raça humana. Seu choro veio de Sua seriedade, Sua preocupação, Sua necessidade, Seu fardo, Seu sofrimento. E assim é com você. Não tente chorar. Não planeje chorar ou se preparar para chorar. Apenas ore. Deus pode levá-lo a chorar, ou talvez não, mas de qualquer forma, será uma oração real.

II. Em segundo lugar, falsa oração sem sentimento.

Muito do que chamam de “oração” hoje em dia, não é oração. É apenas algo que uma pessoa diz, não uma verdadeira oração a Deus. São palavras que soam bem, que soam religiosas, mas são apenas uma formalidade, sem significado, sem se voltar para Deus e pedir-lhe algo.

Eu tenho ido a muitas cerimônias de formatura. No início da cerimônia há a chamada "invocação". É para ser supostamente uma oração, mas não é. A pessoa lê algumas frases pedindo que a graduação seja boa e que os alunos tenham uma boa vida. Mas ninguém está ali esperando que Deus responda e realmente faça alguma coisa ou mude alguma coisa - muito menos a pessoa que está "orando". Não há jamais qualquer sentimento ou expressão do coração em tais invocações.

Uma vez eu visitei Washington, D.C., a capital da nossa nação. Lá entrei na Catedral Nacional. O Presidente Reagan acabara de morrer e estavam se preparando para realizar seu funeral. Lá eu ouvi um padre episcopal dizer as palavras de uma "oração". Mas ele não estava orando nada. Ele estava lendo palavras de um livro. Isso foi tudo. Ele não estava pedindo a Deus para fazer nada. Ele não estava esperando qualquer resposta. Ele só disse aquelas palavras porque era isso que ele deveria fazer. Não havia sentimento do coração.

Jesus falou de um fariseu que foi ao templo para orar. O homem disse: “Ó Deus, graças te dou, porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana e dou os dízimos de tudo quanto possuo.” (Lucas 18:11, 12). Ele não estava orando de maneira alguma. Ele não pedia nada a Deus. Ao invés disso, ele dizia a Deus como ele era bom. Cristo disse que ele apenas orava “consigo mesmo” (Lucas 18:11). Ele não demonstrou sentimento. Sua oração não vinha de seu coração.

Cristo repreendeu os fariseus por suas falsas orações. Ele disse: "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que devorais as casas das viúvas, sob pretexto de prolongadas orações; por isso, (Mateus 23:14). Eles faziam longas orações para mostrar que eram santos. Mas o que eles queriam na realidade era tomar as casas e o dinheiro de velhinhas. Era simples assim. Qualquer que seja a sensação que demonstrassem, era uma farsa externa para que ficassem bem. Eles não oraram do coração. Seus corações não eram corretos.

Você pode dizer: "Eu não sou como eles". Mas você ora falsamente, apenas falando palavras? Eu já orei assim. Em seu tempo de oração particular, você apenas menciona pessoas e as coisas pelas quais você está orando, sem pensar nelas, sem realmente pedir respostas a Deus? Você já fez isso em reuniões de oração na igreja? Eu já fiz isso. Você já orou porque você precisava fazer uma oração- porque sua vez de orar chegou? Você fica feliz quando a reunião de oração acaba e você não precisa mais orar? Isso não foi uma oração real. Foi apenas algo que você recitou. Você já tentou "orar bonito" para impressionar alguém? Eu conheço alguém que planejou sua oração antes do tempo. Isso não foi realmente uma oração, foi uma homília, um discurso. Eu digo: "Não planeje suas orações, ore por elas!" Antes da reunião de oração, passe alguns minutos pedindo a Deus para ajudá-lo a orar. E quando você orar em uma reunião ou sozinho, pense sobre o que você está orando. Pense em quão ruim é a situação se Deus não ajudar. Pense em quanto você precisa da resposta de Deus. O jejum ajudará suas orações, pois concentra sua atenção e mostra a Deus que você é sério. Volte-se para Deus em sua oração e implore a Ele que lhe dê o que você pede. Você pode muito bem chorar de emoção. Não se detenha. Deus o moveu a isso. Às vezes você pode não chorar. Não se force a chorar. Uma oração não é boa porque tem choro - ou boa porque não tem . Uma oração é boa quando Deus está nela!

III. Em terceiro lugar, a verdadeira oração com e sem sentimento.

Nosso texto diz que Cristo orou no Jardim “com forte choro e lágrimas”. Todavia, às vezes, a verdadeira oração que recebe a resposta acontece com pouca ou nenhuma emocão. Eu lhe contei como os profetas de Baal oraram ao falso deus deles. Agora, deixe-me contar como Elias orou. Ele disse:

“Ó Senhor, Deus de Abraão, de Isaque e de Israel, manifeste-se hoje que tu és Deus em Israel, e que eu sou teu servo, e que conforme a tua palavra fiz todas estas coisas. Responde-me, Senhor, responde-me, para que este povo conheça que tu, Senhor, és Deus e que tu fizeste tornar o seu coração para trás” (I Reis 18:36, 37).

Não há registro de que Elias tenha chorado. Não há registro de que ele tenha ficado pulando para cima e para baixo. Ele certamente não se cortou! Ele apenas fez uma oração séria a Deus. Ele pediu a Deus que mostrasse ao povo que Ele era o verdadeiro Deus. E Deus respondeu a essa oração e enviou fogo do céu para queimar o sacrifício de Elias. O povo disse: “O Senhor é Deus; o Senhor é Deus ”(I Reis 18:39). A oração séria de Elias, sem nenhum registro de emoção, contrasta com a selvageria dos profetas de Baal. A verdadeira oração não precisa ter sentimentos. Ela precisa ter Deus!

Mas na maior parte do tempo emoção, mesmo as lágrimas, acompanham a oração real. Se você sentir sua necessidade, é natural que você tenha sentimentos. Você pode clamar a Deus com paixão, urgência e choro. Você pode quebrantar-se e implorar a Deus com lágrimas. De tempos em tempos a Bíblia conecta lágrimas e oração. O salmista orou: Ouve, Senhor, a minha oração, e inclina os teus ouvidos ao meu clamor; não te cales perante as minhas lágrimas.” (Salmos 39:12).

O rei Ezequias adoeceu até a morte. Ezequias orou a Deus. Como ele orou? A Bíblia diz: “Ezequias chorou” (II Reis 20:3). Claro que ele chorou. Ele ia morrer. Ele chorou amargamente. Ele chorou em suas orações. Então a palavra do Senhor veio ao profeta Isaías. Isaías disse: “Volte e diga a Ezequias, capitão do meu povo: Assim diz o Senhor, o Deus de Davi, teu pai: Ouvi a tua oração, vi as tuas lágrimas; eis que te sararei” (II Reis 20: 5). “Eu vi suas lágrimas.” Deus viu e sentiu as lágrimas da oração clamorosa e impotente de Ezequias. E Deus respondeu e salvou a vida do rei

No Novo Testamento, um homem veio a Jesus. Seu filho estava possuído por demônios. Cristo perguntou se ele acreditava que seu filho poderia ser curado. E “o pai da criança clamou e disse com lágrimas: Senhor, eu creio; ajuda a minha incredulidade ”(Marcos 9:24). Jesus expulsou o demônio do menino. Muitas vezes essa passagem é usada para mostrar que alguém que é fraco na fé pode obter respostas. “Ajuda a minha incredulidade”. Mas a passagem também diz que o pai “clamou” e falou a Cristo “com lágrimas”. Esse homem não era um dos discípulos. Ele nem era um homem convertido. Ele era apenas "um da multidão", apenas um homem no meio da multidão (Marcos 9:17). Mas ele trouxe seu filho a Jesus e clamou a Ele com lágrimas.

Por que o homem clamou a Jesus com lágrimas? Ele não era um guerreiro de oração. Ele nem erasalvo. Era natural para Ele falar com Cristo dessa maneira, pois ele via sua própria necessidade desesperada. Seu filho estava possuído por demônios e não havia como libertá-lo sem Jesus. O homem não se forçou a chorar. Fora de sua necessidade, fora de seu desespero, vieram suas lágrimas. Sentir necessidade, uma consciência de desespero e desesperança, muitas vezes leva a choro e lágrimas. Ele falou em oração real, com sentimento.

E isso nos leva de volta ao nosso texto. Cristo orou no jardim “com forte choro e lágrimas”. Ele não era um bebê chorão. Ele não era uma garota emotiva que chorava por qualquer coisa . Ele era um homem adulto, com mais de trinta anos de idade. Por que ele chorou? Porque ele foi movido em seu coração. Ele sentiu o pecado de todo homem e mulher colocado sobre ele. Ele pensou no terrível sofrimento que Ele deveria suportar na cruz no dia seguinte, ou ninguém poderia ser salvo. No entanto, o peso do pecado humano quase o matou. Sem a graça de Deus, Ele morreria no jardim naquela noite e nunca chegaria à cruz. Cristo foi subjugado em seu coração. E então Ele orou “com forte choro e lágrimas”. Era normal e natural naquela situação. Seria surpreendente se Ele não orasse com sentimento. Jesus orou “com forte choro e lágrimas”. E nosso texto nos diz que Ele “foi ouvido”. Deus respondeu à Sua oração e manteve-O vivo para ir à Cruz no dia seguinte. Deus respondeu ao seu “choro forte e lágrimas”.

Cristão, eu lhe pergunto: “Você ora com lágrimas e pranto?” Eu não estou falando sobre cada oração que você faz. Mas, novamente, eu pergunto: “Você já orou com lágrimas e pranto?” Eu tenho, não tanto quanto deveria. Você ora às vezes com um fardo de necessidade, implorando a Deus pela resposta - às vezes com choro e lágrimas? Se você nunca assim o fez, você não tem uma boa vida de oração. Se você é desse jeito, não pare de orar e espere até que suas orações sejam melhores. Isso não é o que Deus quer. Mas ore para que Deus lhe dê a convicção de sua necessidade, e então você orará com sentimento. Se você jejuar, sempre que sentir fome, pense no que você está orando. Volte-se para Deus e ore.

Alguns de vocês estão perdidos. Ainda não confiaram em Jesus. Eu lhe pergunto: “Você sente seu pecado chorando e pranteando- pelo menos parte do tempo?” Você tem alguma convicção de seu pecado? Chorar não é o objetivo - Jesus é o objetivo. Confie nele, quer você chore ou não. Mas eu digo: “Você sente alguma tristeza pelo pecado do seu coração?” Você deveria, pois seu coração é “desesperadamente mau” (Jeremias 17:9). Ore para que Deus lhe mostre o terrível pecado do seu coração. Então ore para que Deus o atraia a Cristo.

Jesus é a resposta para sua necessidade. Ele é o remédio e o pagamento pelo seu pecado. Ele morreu na cruz para pagar por todo pecado, até mesmo pelo pecado do seu coração. Ele derramou Seu Sangue para cobrir seu pecado e lavá-lo para sempre. Ele ressuscitou dos mortos para conquistar a morte com vida, não só para si mesmo, mas para você. Se você crer em Jesus, você será salvo para sempre. Se você gostaria de falar conosco sobre como confiar em Cristo, por favor venha e sente-se nas duas primeiras filas . Amém.


AO ESCREVER PARA DR. HYMERS, VOCÊ PRECISA MENCIONAR O PAÍS DO QUAL VOCÊ ESTÁ ESCREVENDO, CASO CONTRÁRIO ELE NÃO PODERÁ RESPONDER SEU E-MAIL. Se estes sermões o abençoam envie um e-mail para o Dr. Hymers para dizer-lhe, mas sempre inclua o país do qual você está escrevendo. O e-mail do Dr. Hymers é: rlhymersjr@sbcglobal.net (clique aqui). Você pode escrever para Dr. Hymers em qualquer idioma, mas, se puder, escreva em Inglês. Se você quiser escrever para Dr. Hymers pelo correio, seu endereço é: P. O. Box 15308, Los Angeles, CA 90015. Você pode contatá-lo via telefone: (818) 352-0452.

(FIM DE SERMÃO)
Você pode ler sermões do Dr. Hymers cada semana na Internet
em www.sermonsfortheworld.com.
Clique no “Sermão em Português.”

Estes manuscritos de sermão não estão protegidos com direitos autorais. Você pode usá-
los sem permissão do Dr. Hymers. Porém, todas as mensagens de vídeo do Dr. Hymers
estão com direitos autorais e podem ser usados somente com permissão.

Solo Cantado Antes do Sermão por Mr. Jack Ngann:
“Teach Me to Pray” (Albert S. Reitz, 1879-1966).


O ESBOÇO DO

LÁGRIMAS NA ORAÇÃO

TEARS IN PRAYER

Dr. Christopher L. Cagan

“O qual, nos dias da sua carne, oferecendo com grande clamor e lágrimas, orações e súplicas ao que O podia livrar da morte, e foi ouvido quanto ao que temia” (Hebreus 5:7).

(Lucas 22:44)

I.   Primeiro, falsa oração com sentimento. I Reis 18:26, 28, 29.

II.  Em segundo lugar, falsa oração sem sentimento, Lucas 18:11, 12;
Mateus 23:14.

III. Em terceiro lugar, a verdadeira oração com e sem sentimento.
I Reis 18:36, 37, 39; Salmo 39:12; II Reis 20:3, 5;
Marcos 9:24, 17; Jeremias 17:9.