Print Sermon

O objetivo deste site é fornecer gratuitamente manuscritos e vídeos de sermões para pastores e missionários em todo o mundo, especialmente o Terceiro Mundo, onde existem poucos seminários teológicos ou escolas bíblicas.

Estes manuscritos e vídeos de sermões alcançam agora cerca de 1.500,000 computadores em mais de 221 países anualmente através do site: www.sermonsfortheworld.com. Centenas de outras pessoas assistem os vídeos noYouTube, mas rapidamente deixam o YouTube, pois cada vídeo os redireciona para nosso website. O YouTube redireciona as pessoas para nosso website. Os manuscritos dos sermões são traduzidos para 40 idiomas para cerca de 120.000 computadores mensalmente. Estes sermões manuscritos não estão protegidos por direitos autorais, para que, assim, pregadores possam usá-los sem nossa autorização. Clique aqui para saber como fazer uma doação mensal para ajudar-nos nesta grande obra de divulgar o Evangelho para todo o mundo, incluindo nações muçulmanas e hindus.

Ao escrever para Dr. Hymers, mencione sempre o país no qual você vive, caso contrário ele não poderá responder-lhe. O email do Dr. Hymers é rlhymersjr@sbcglobal.net.




O AVIVAMENTO CURA A REJEIÇÃO

REVIVAL CURES REJECTION
(Portuguese)

por Dr. R. L. Hymers, Jr.

Sermão pregado no Tabernáculo Batista de Los Angeles
Noite de Quarta-Feira, 9 de Agosto de 2017
A sermon preached at the Baptist Tabernacle of Los Angeles
Wednesday Evening, August 9, 2017

“No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor” (I João 4:18).


Um psicólogo proeminente escreveu um livro que lista 288 medos, medos que as pessoas experimentam na vida - 288 medos! Os seis medos mais comuns são o medo de rejeição, medo da morte, medos da velhice, medos da pobreza, medos de doenças e medo de críticas. O psicólogo então disse: "O medo da rejeição é o maior de todos os medos. O medo da rejeição é mais forte do que o medo da morte! "Pense nisso! As pessoas preferem morrer a serem rejeitadas!

O Dr. Christopher Cagan provavelmente me conhece melhor do que qualquer outro homem. Ele disse: "Dr. Hymers não cresceu em uma família normal. Se tivesse, ele teria sido mais extrovertido e sociáveal. Mas as tantas mudanças e a rejeição o transformaram em alguém mais introvertido - uma pessoa que olha para o seu interior. Talvez você não o veja como uma pessoa introvertida porque ele prega bem. Mas em seu interior ele é uma pessoa sensível, consciente de suas próprias fraquezas. "Dr. Cagan está certo. Eu posso estar em uma multidão de pessoas alegres, desfrutando de sua companhia, quando de repente meu humor muda e sinto a angústia existencial e a dor da solidão, rejeição e depressão. As únicas vezes que não sinto rejeição é quando estou sozinho ou quando sinto a presença de Deus.

Os tempos em que eu verdadeiramente me senti em casa na igreja foram tempos de reavivamento - quando a presença de Deus era tão real que expulsou meus sentimentos de rejeição e solidão.

Essa é a razão pela qual eu entendo tão bem como os jovens se sentem quando vêm à igreja. Nós lhes oferecemos aceitação e amor. Mas depois de algumas vezes, nós pensamos que eles já são de "casa" já estão "dentro". Nós pensamos que estão bem agora. E logo eles se sentem tão marginalizados e rejeitados quanto antes. Só ficam aqueles que são capazes de se dar bem com as pessoas sem terem que sentir aceitação. Eles ficaram como eu. Embora eu me sentisse rejeitado, fiquei na igreja porque não havia outro lugar para eu ir. Eu era uma pessoa solitária, mas pelo menos havia muitas pessoas na igreja. Então eu fingia sentir-me aceito, mesmo que por dentro doesse o sentimento de rejeição. Nas noites de domingo, quando chegava em casa, o sentimento de rejeição era quase irresistível. As palavras de uma música popular passavam por minha mente enquanto eu dirigia para casa, "Simplesmente só, outra vez".

O jovem na igreja está procurando aceitação e amor, mas só acha frieza e rejeição. Quase todos os jovens que deixam a igreja fazem isso porque a igreja não conseguiu fornecer o que lhes prometeu. Nós cantamos:

Oh, vem à casa, à igreja a cear,
Vem, doce comunhão aqui encontrar
Que grandioso prazer, sim, será
Quando juntos sentarmos à mesa a cear

Sarcasticamente eles nos ouvem cantar. Eles desenvolvem uma atitude zombadora em relação à igreja. Eles têm um sorriso cínico no rosto, porque eles sabem que estamos mentindo quando falamos sobre "doce comunhão". Eles não sentem "doce comunhão quando nos sentamos para comer". Eles pensam: "essas pessoas falam sobre" doce comunhão", mas não a sentem. Até mesmo o Dr. Hymers não a sente. "Então, eles saem para o mundo. Eles voltam para lá porque não sentem que o mundo seja pior do que a igreja. E, pelo menos, o mundo não mente sobre "doce comunhão". Pelo menos no mundo você pode encontrar um amigo que o aceite. Algo que você nunca encontrou na igreja. Aqui tudo que você encontrou foi hipocrisia, frieza, e rejeição.

O que nos impede de ter amor cristão na igreja? É o medo que nos rouba o verdadeiro amor cristão. O que eles vão pensar em mim? O que eles vão dizer sobre mim? O que pensariam se realmente me conhecessem? E se eles realmente soubessem o que eu penso ou como me sinto? Eles me rejeitaram - isso é o que eles fariam! E o medo da rejeição é o maior medo de todos - maior do que o medo da morte! Maior que o medo da doença. Maior que qualquer outro medo em todo o mundo!

O poeta Robert Frost expressou isso perfeitamente. Seu poema é chamado "Revelação".

E, assim, vamos separando-nos
Atrás de leves palavras que provocam e desprezam,
Mas oh, agitado coração
Atemorizado que alguém realmente nos descubra.

Que pena se o caso demandar
(por assim dizer) que seja a dedução
Falarmos o literal para inspirar
De um amigo a compreensão.

Mas, a todos, que como crianças estão a brincar
E de esconde-esconde estão com Deus a jogar,
Aos que tão bem se afastam e vão se esconder
Que onde estejam afinal, venham eles nos dizer.
   (Tradução de "Revelation” de Robert Frost, 1874-1963).

E isso nos leva ao nosso texto.

“No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor” (I João 4:18).

Como superamos o medo de rejeição? Com perfeito amor! Mas como conseguimos “perfeito”amor? Não é dizendo: "Eu te amo! Eu te amo! "atente para I João 3:18:"Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade. "Como fazemos isso? Não é fácil. Temos medo de fazê-lo. Poderemos ser rejeitados!!! Mas temos que fazê-lo se realmente queremos realmente reavivamento. Devemos nos forçar a fazê-lo. "Nós falamos o literal para inspirar de um amigo a compreensão." " Aos que tão bem se afastam e vão se esconder, Que onde estejam afinal, venham eles nos dizer." Essa é a revelação que devemos ter se realmente queremos o reavivamento! Por favor leia I John 1: 9 e 10. Coloquem-se de pé para a leitura

“Se confessarmos nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e sua palavra não está em nós” (I João 1:9, 10).

Podem sentar-se. Confessar nossos pecados é a chave para o reavivamento. Se pecamos contra Deus basta que a Ele confessemos nossos pecados com lágrimas. Não apenas com palavras, mas com lágrimas, como na China, como fazem em todos os verdadeiros reavivamentos. Brian Edwards corretamente disse: "Não existe avivamento sem lágrimas de convicção" (tradução de Revival, p. 115). Outra vez, ele diz: "Não existe avivamento sem profunda, desconfortável e humilde convicção de pecado" (p. 116). "O razão pela qual é necessária profunda convicção é para que as pessoas sintam e seu pecado e odiem" (p. 122). A convicção do pecado é a chave para o avivamento! Se pecamos contra Deus, podemos confessar a Deus em lágrimas, e Ele "nos purificará de toda iniqüidade". Levantem-se e cantem: “Sonda-me ó Deus”.

“Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração,
Prova-me e conhece os meus pensamentos;
E conhece o meu coração,
Prova-me e conhece os meus pensamentos;
E vê se há em mim algum caminho mau
E guia-me pelo caminho eterno.”
   (Salmo 139:23, 24).

Podem sentar-se. Nós nunca tívemos um avivamento completo, porque sempre nos afastamos e nos separamos atrás de leves palavras que provocam e desprezam, (zombam, caçoam, debocham, ridicularizam)".

Mas, em segundo lugar, devemos nos aprofundar. Abra a Bíblia em Tiago 5:16. Por favor, fique de pé enquanto eu leio.

“Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados” (Tiago 5:16)

Podem sentar-se. Matthew Henry diz,

A confissão aqui requerida é a dos cristãos uns aos outros ... A confissão é necessária para a nossa reconciliação com os que estão em desacordo conosco, onde eles podem ajudar-se mutuamente por suas orações para obter perdão de seus pecados e poder para lutar contra eles. Aqueles que confessam seus pecados uns aos outros devem também orar uns pelos outros.

O Comentário Aplicado do Novo Testamento nos dá esse pensamento em Tiago 5:16,

Ter verdadeira comunhão significa confessarmos nossos pecados uns aos outros. Ao assim fazermos, receberemos cura espiritual. Não devemos esconder coisas uns dos outros.

Todo cristão tem falhas em relação aos outros. Devido ao nosso egoísmo inerente, todos nós gradualmente retrocedemos em nosso amor um pelo outro. Alguém na igreja lhe diz uma palavra cruel, ou sobre você. Alguém parece não se preocupar com você. Alguém não apreciou o trabalho que você faz pelo Senhor. Alguém fez algo para incomodá-lo. Alguém feriu seus sentimentos. Não devemos esconder nossas falhas uns dos outros. Ter a presença de Deus é uma coisa muito preciosa. Acumularmos nossas feridas e queixas nos impede de amar uns aos outros. "Muitas vezes, essa profunda convicção de pecado leva à uma confissão aberta e pública ... onde relacionamentos errados são corrigidos... antes da glória e da alegria, há convicção, e isso começa com o povo de Deus. Há lágrimas e tristeza segundo Deus. Há erros para serem acertados coisas secretas, distantes dos olhos dos homens, a serem descartadas e relacionamentos maus a serem reparados abertamente. Se não estamos preparados [para fazer] isso, é melhor não orar por reavivamento. O reavivamento não se destina ao entretenimento da igreja, mas à sua limpeza. Hoje temos uma igreja profana porque os cristãos não sentem seu pecado e [confessam uns aos outros com lágrimas] "(tradução de Edwards, Revival, pp. 119, 120).

Não podemos nos alegrar de coração até confessarmos nossos pecados uns aos outros com lágrimas. Isso acontece repetidamente na China. Por que não na nossa igreja? Somos muito orgulhosos para confessar nossas falhas. Temos medo do que os outros vão pensar. O Diabo usa esse medo para nos impedir de confessar. O Diabo sabe que ele pode impedir a alegria do avivamento, fazendo-nos sentir medo do que os outros dirão sobre nós. O Diabo sabe que fazer-nos medrosos manterá nossa igreja fraca e em desvantagem. O medo do que os outros pensam nos impede da confissão e da cura de nossas almas. Isaías disse: "Quem és tu, para que tenhas medo de um homem que morre ... e esquece o Senhor teu criador" (Isaías 51:12, 13). A Bíblia diz: "Quem teme ao homem arma ciladas" (Provérbios 29:25). Por favor, levante-se e leia Proverbs 28:13. É na página 692 da Bíblia de Estudo Scofield. Todos leiam em voz alta!

“O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que confessa e deixa alcançará misericórdia” (Provérbios 28:13).

“Sonda-me, Ó Deus” – cantem.

““Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração,
Prova-me e conhece os meus pensamentos;
E conhece o meu coração,
Prova-me e conhece os meus pensamentos;
E vê se há em mim algum caminho mau
E guia-me pelo caminho eterno.”
   (Salmo 139:23, 24).

“Espírito do Vivo Deus”! Cantem!

Espírito do Trino Deus, vem sobre nós.
Espírito do Trino Deus, vem sobre nós.
Quebranta-nos, consome-nos, transforma-nos, transforma-nos;
Espírito do Trino Deus, vem sobre nós.
   (tradução de “Spirit of the Living God” por Daniel Iverson,       1899-1977; alterado pelo Pastor).

Podem sentar-se.

Cristo disse: "Bem-aventurados os que choram". Isso se refere àqueles que confessam seu pecado e choram por isso. O pecado é um grande problema para aqueles que desejam o avivamento. O avivamento sempre nos faz pensar nos pecados internos que o mundo não vê. O avivamento lança luz sobre os pecados internos de nossos corações. Ao encorajar sua congregações a se preparar para um reavivamento, Evan Roberts lhes disse que o Espírito Santo não desceria até que as pessoas estivessem preparadas. Ele disse: "Devemos nos livrar de todos os sentimentos maus" – toda amargura, todos os desentendimentos, toda a raiva. Se você sente que não pode perdoar alguém, incline-se e ore por um espírito perdoador - esteja disposto a ir à outra pessoa e pedir perdão - somente então você sentirá a doce presença de Deus. Somente o cristão limpo pode sentir o amor e a santa presença de Deus. A alegria do avivamento não pode chegar a uma igreja profana como a nossa até que possamos admitir nosso pecado e confessá-lo com lágrimas. Só então sentiremos a alegria da presença de Deus. Nossa irmã tocará o hino: "Sê minha vida” enquanto nós lhe damos a oportunidade para orar por confissões no domingo à noite. Ore para que o Espírito Santo mostre a você e aos outros os pecados que precisam ser confessados no domingo à noite. Vão uns aos outros, dois a dois ou três e orem intensamente por confissões na noite de domingo. Agora levante-se e cante "Sê minha Vida ". É o número 17.

Sê minha vida, ó Deus de poder;
   Que eu nunca perca a visão do teu ser.
Se é noite ou dia, tu és minha luz;
   Tua presença meus passos conduz.
Sê minha fonte de todo saber,
   Pois a verdade eu desejo aprender.
Eu sou teu filho, ó Pai sem igual.
   Em mim habita, Senhor divinal.

Ó soberano do reino eternal,
   Hei de chegar à vitória final.
Sê o primeiro no meu coração,
   Sê minha vida, sê minha visão.
Sê minha vida, Senhor de poder,
   Que Teu amor o meu ser venha encher,
Sê minha luz, poderoso Senhor,
   Que eu sempre reflita o Teu resplendor.

Sê tu a fonte do meu desejar
   Que tua glória me venha inspirar,
Sê tu minha vida, Senhor divinal,
   Inunda meu ser com Tua luz celestial.
Que nada vil, ó Divino Senhor,
   Apague Tua luz em meu interior,
Que Tua face sempre eu possa ver
   E tua glória brilhe em meu ser.
(Tradução livre de “Fill All My Vision”
      por Avis Burgeson Christiansen, 1895-1985).

Agora cantemos “Uma centelha só.” É o numero 18 em sua folha de hinos:

Uma centelha só Um grande fogo faz ,
Queimando ao redor E a todos calor traz.
O amor de Deus assim é. Se você experimentar
O grande amor, Amor sem fim Você vai transmitir.

A primavera é a mais linda estação.
As aves a cantar E a flor que surge do botão.
O amor de Deus assim é. Se você experimentar
O grande amor, Amor sem fim Você vai transmitir.

Quero que você cnheça a felicidade
Igual à que encontrei, Que é a realidade.
Do alto da montanha, Ao mundo vou falar
Que encontrei Jesus Senhor. Eu quero transmitir.
(Tradução de "Pass It On", de Kurt Kaiser, 1969, alterado pelo Pastor).


AO ESCREVER PARA DR. HYMERS, VOCÊ PRECISA MENCIONAR O PAÍS DO QUAL VOCÊ ESTÁ ESCREVENDO, CASO CONTRÁRIO ELE NÃO PODERÁ RESPONDER SEU E-MAIL. Se estes sermões o abençoam envie um e-mail para o Dr. Hymers para dizer-lhe, mas sempre inclua o país do qual você está escrevendo. O e-mail do Dr. Hymers é: rlhymersjr@sbcglobal.net (clique aqui). Você pode escrever para Dr. Hymers em qualquer idioma, mas, se puder, escreva em Inglês. Se você quiser escrever para Dr. Hymers pelo correio, seu endereço é: P. O. Box 15308, Los Angeles, CA 90015. Você pode contatá-lo via telefone: (818) 352-0452.

(FIM DE SERMÃO)
Você pode ler sermões do Dr. Hymers cada semana na Internet
em www.sermonsfortheworld.com.
Clique no “Sermão em Português.”

Estes manuscritos de sermão não estão protegidos com direitos autorais. Você pode usá-
los sem permissão do Dr. Hymers. Porém, todas as mensagens de vídeo do Dr. Hymers
estão com direitos autorais e podem ser usados somente com permissão.

Solo Cantado antes do Sermão por. Benjamin Kincaid Griffith:
“Revive Us Again” (por William P. Mackay, 1839-1885).