Print Sermon

O objetivo deste site é fornecer gratuitamente manuscritos e vídeos de sermões para pastores e missionários em todo o mundo, especialmente o Terceiro Mundo, onde existem poucos seminários teológicos ou escolas bíblicas.

Estes manuscritos e vídeos de sermões alcançam agora cerca de 1.500,000 computadores em mais de 221 países anualmente através do site: www.sermonsfortheworld.com. Centenas de outras pessoas assistem os vídeos noYouTube, mas rapidamente deixam o YouTube, pois cada vídeo os redireciona para nosso website. O YouTube redireciona as pessoas para nosso website. Os manuscritos dos sermões são traduzidos para 40 idiomas para cerca de 120.000 computadores mensalmente. Estes sermões manuscritos não estão protegidos por direitos autorais, para que, assim, pregadores possam usá-los sem nossa autorização. Clique aqui para saber como fazer uma doação mensal para ajudar-nos nesta grande obra de divulgar o Evangelho para todo o mundo, incluindo nações muçulmanas e hindus.

Ao escrever para Dr. Hymers, mencione sempre o país no qual você vive, caso contrário ele não poderá responder-lhe. O email do Dr. Hymers é rlhymersjr@sbcglobal.net.




PROPICIAÇÃO!
(SERMÃO NÚMERO 11 SOBRE ISAÍAS 53)

PROPITIATION!
(SERMON NUMBER 11 ON ISAIAH 53)
(Portuguese)

por Dr. R. L. Hymers, Jr.

Sermão pregado no Tabernáculo Batista de Los Angeles
Sábado de noite, 13 de Abril, 2013
A sermon preached at the Baptist Tabernacle of Los Angeles
Saturday Evening, April 13, 2013

“Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado” (Isaías 53:10).


O que eu vou dizer sobre Deus hoje a noite vai ser desgostado, e até odiado, por alguém quem escutar. Pessoas tem tanta idéias erradas sobre Deus hoje. Quando alguém fala sobre o Deus da Bíblia isto causa reação negativa, especialmente entre uma certa class de pregadores.

Anos passado eu fui perguntado por um pastor idoso para dar um sermão evangélico ao um grupo a cerca de cem jovens. Eu havia discursado lá bastante vezes antes, então eu pensei que eu sabia o que a igreja quis. Mas este tempo dois pastores mais jovem estavam em carga. Eu preguei uma mensagem sobre salvação, enfatizando julgamento de Deus e terminando com uma presentação clara sobre o Evangelho de Cristo. Vinte sete jovens responderam à invitação. Estes foram todos declarações de primeira vez, o qual foi um pouco mais de um quarto de universitários quem estavam presentes.

Alguém poderia ter pensado que os dois jovem pastores estaria ter sido alegre com tanta grande reação. Mas eles ambos tinham expressões furiosas em seus rostos depois de sermão. Eles nunca escreveram-me uma nota de agradecimento, e eles nunca me mandaram um honorário, o qual foi uma prática comum de esta igreja. Eu estava bastante surpreso por frieza deles. Eu aprendi depois que eles pensaram eu era muito negativo, que eu deveria ter dado uma invitação sem avisar aqueles jovens que Deus julga pecado. Desde então eu tenho descoberto que muitos pastores modernos reparte perspectiva deles. “Justamente dá Evangelho à eles. Discursa somente sobre o amor de Deus. Não mexe as pessoas e não faze eles sentirem desconfortável.” Eu tenho muitas vezes encontrado que pregadores sentem desta maneira hoje. Mas eu estou convincido que existe algo terrível na maneira de este pensamento, also insuficiente e errado sobre esta perspectiva de pregação evangélica.

Dr. A. W. Tozer disse, “Nenhum homem pode saber a graça verdadeira de Deus antes de saber primeiramente o temor de Deus” (The Root of Righteousness, Christian Publications, 1955, p. 38). Eu acredito que ele estava exatamente certo, “Nenhum homem pode saber a graça verdadeira de Deus antes de saber primeiramente o temor de Deus.” Dr. Martyn Lloyd-Jones acreditou exatamente como Dr. Tozer em este ponto. Iain H. Murray disse, “Por Dr. Lloyd-Jones predicar o perigo real de culpabilidade de homem adiante Deus significou à predicar da certeza de ira divina…em castigo de pecado no inferno…ele considerou aviso como uma parte essencial de pregação bíblica. Inferno não é uma teoria…” (Rev. Iain H. Murray, The Life of Martyn Lloyd-Jones, The Banner of Truth Trust, 2013, p. 317).

De novo, Dr. Lloyd-Jones disse, “O pior pecado de todo é o pensamento falso sobre Deus do qual o homem natural é tão terrivelmente culpado” (ibid., p. 316). De novo, eu acho isto iluminante que Dr. John R. Rice, o notável evangelista Batista, disse virtualmente a mesma coisa conforme Dr. Tozer e Dr. Lloyd-Jones. Dr. Rice disse,

O Deus da Bíblia é um Deus terrível, um Deus temeroso, um Deus de vingança, e também um Deus de misericórdia (John R. Rice, D.D., The Great and Terrible God, Sword of the Lord Publishers, 1977, p. 12).

Dr. Rice disse,

Todo este pregação moderna de graça sem lei, de fé sem arrependimento, de misericórdia de Deus sem ira de Deus, a pregação de Céu sem Inferno…é uma perversão de verdade de Deus. Isto desvirtua Deus. Isto é uma presentação disonesta de mensagem de Deus. Deus é um Deus terrível, um Deus temeroso, um Deus de fúria contra pecado, um Deus quem traz vingança, um Deus para ter medo, antes de Deus o qual pecadores deveria tremer (ibid., pp. 13, 14).

Amém! E eu sei por anos de ler sermões deles, que Dr. Tozer e Dr. Lloyd-Jones iriam estar concordados com John R. Rice completamente em este ponto. Deus é “um Deus de fúria contra pecado.”

Quando nós vemos Deus em esta maneira, como a Bíblia presenta Ele, nós não iramos ter problema com nosso texto em Isaías 53:10. O texto é centralizado em Deus o Pai e o que Deus fez à Jesus por nossa salvação,

“Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado” (Isaías 53:10).

“Ao qual Deus propôs para propiciação” (Romanos 3:25).

Dr. W. A. Criswell disse que “Propiciação é a obra de Cristo na cruz em qual Ele abasteceu as demandas da justiça de Deus contra pecado, ambos satisfazendo os requerimentos da justiça de Deus e cancelando a culpa de homem” (W. A. Criswell, Ph.D., The Criswell Study Bible, Thomas Nelson Publishers, 1979, p. 1327, note on Romans 3:25).

“Ao qual Deus propôs para propiciação” (Romanos 3:25).

The Reformation Study Bible [Bíblia de Estudo A Reformação] disse sobre este versículo, “Cristo morreu como um sacrifício propiciatório que satisfaz julgamento divino contra pecadores, causando sobre perdão e justificação. Mas Paulo é cuidadoso para indicar que o sacrifício [de Filho de Deus] não causa o Pai Deus à amar nós. O opósito é verdade – amor de Deus causou Ele à oferecer Seu Filho” (The Reformation Study Bible, Ligonier Ministries, 2005, p. 1618, note on Romans 3:25).

“Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós” (Romanos 8:32).

Como nosso texto diz,

“Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado” (Isaías 53:10).

Em este texto nós vemos que Deus foi o autor verdadeiro de agonia de Cristo. Cristo sofreu e morreu “pelo determinado conselho [o conjunto de propósito] e presciência de Deus” (Atos 2:23). O grande e terrível Deus de Escritura foi a causa verdadeira de sofrimento e morte de Cristo. João 3:16 diz que Deus “deu o seu Filho unigênito” (João 3:16). Romanos 8:32 diz, “Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós” (Romanos 8:32). A ira de Deus contra pecado foi propiciado porque caiu em Seu Filhho Jesus. Enquanto nosso texto diz,

“Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado” (Isaías 53:10).

Aqui Isaías leva nós “atrás do cenário” para mostrar-nos que o Pai Deus enviou Seu filho através de horrores de paixão e crucificação Dele para que Deus poderia estar propiciado, e ira Dele caísse em Jesus invez de pecador. Em nosso texto nós vemos que (1) Deus feriu Ele; (2) Deus colocou Ele em mágoa; (3) Deus fez alma Dele e oferta por pecado.

I. Primeiro, Deus feriu Jesus.

“Todavia, ao Senhor agradou moê-lo” (Isaías 53:10).

A palavra traduzida “ferido” siginifica “moer.” “Todavia, ao Senhor agradou moê-lo.” Dr. Edwards J. Young disse, “Apesar de inocência de [Cristo], o Senhor tomou prazer em ferir [e esmagar] ele. Sua morte não foi nas mãos do homem mau mas nas mãos do Senhor. Isto não absolve desde responsabilidade ao aqueles quem colocou ele à morte, mas eles não estavam em controle da situação. Eles estavam somente fazendo o que o Senhor permitiu eles para fazer” (Edward J. Young, The Book of Isaiah, William B. Eerdmans Publishing Company, 1972, volume 3, pp. 353-354).

Como eu tenho dito, isto é claramente mostrado em Romanos 3:25, a respeito de Cristo,

“Ao qual Deus propôs para propiciação” (Romanos 3:25).

e em João 3:16, que,

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (João 3:16)

para propiciar Sua ira contra pecado, e fazer salvação possível ao pecador.

“Todavia, ao Senhor agradou [esmagar-lo] moê-lo” (Isaías 53:10).

Começo de Jardim de Getsêmani, o Pai Deus feriu e esmagou Seu Filho. Nós somos contados por Mateus, que em Jardim de Getsêmani, Deus disse, “Ferirei o pastor” (Mateus 26:31). O Evangelho de Marcos também nos diz que, em Getsêmani, “Ferirei o pastor” (Marcos 14:27). Assim Deus feriu Jesus, machucou Ele, e começou a esmagar Ele como um propiciação representativo por nossos pecados em na escuridão de Getsêmani. Spurgeon falou de isto quando ele disse,

Isto foi agora que nosso Senhor tinha que tomar um certo copo a partir de mãos do Pai. Não por Judeus, não por traidor Judas, não por discípulos dormentes, não por o diabo que veio para teste [em Getsêmani] agora, mas isto foi o copo cheio por um quem ele soube a ser Seu Pai…um copo que surprendeu sua alma e aborreceu seu coração íntimo. Ele recuou de isto, e portanto você tem certeza que isto foi um trago [de copo] mais temoroso que dor físico, desde então que ele não recuou…isto foi algo inconceviblemente terrível, maravilhosamente cheio de horror, o qual veio [Dele] desde a mão do Pai. Isto remove toda dúvida enquanto o que isto foi, por nós lemos, “ao Senhor agradou moê-lo…” O Senhor fez para [colocar] em ele a iniquidade de todos nós. Ele havia feito ele para ser pecado por nós apeasr que ele não sabia pecado. Isto, então é o que causou o Salvador tanta extraordinário depressão...Ele deve sofrer em [lugar] de pecador. Aqui está o segredo de estas agonias [em Getsêmani] o qual isto não é possível por mim para [explicar completamente] adiante de você, então a verdade é que –

‘Isto é de Deus, e Deus sozinho, Que seus sofrimentos são completamente reconhecidos.’

(C. H. Spurgeon, “The Agony in Gethsemane,” The Metropolitan Tabernacle Pulpit, Pilgrim Publications, 1971 reprint, volume XX, pp. 592-593).

“Todavia, ao Senhor agradou [esmagar-lo] moê-lo” (Isaías 53:10).

Abaixo do peso de pecado humano, derramado sobre Ele em Getsêmani, Cristo foi esmagado, Ele foi ferido pelo o peso de seu pecado, por isto

“E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão” (Lucas 22:44).

Nenhuma mão humana tinha tocado Ele ainda. Ele não tinha aindo sido preso, nem Ele tinha ainda sido batido, açoitado, ou crucificado. Não, isto foi Deus o Pai quem feriu e esmagou Ele em Getsêmani. Isto foi Deus o Pai quem disse, “Ferirei o pastor” (Mateus 26:31). Isto é o que Deus profetizou através Isaías,

“Todavia, ao Senhor agradou [esmagar-lo] moê-lo” (Isaías 53:10).

Nenhuma língua pode dizer a ira que Ele tomou,
   A ira tão por causa de mim;
Deserto de pecado; Ele tomou todo,
   Para livrar o pecador!
(“The Cup of Wrath” por Albert Midlane, 1825-1909;
      to the tune of “O Set Ye Open Unto Me”).

II. Segundo, Deus colocou Jesus ao sofrimento.

“Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar...” (Isaías 53:10).

De novo, foi Deus quem colocou Seu Filho unigênito por sofrimento que Ele experienciou durante Seu paixão e morte. Dr. John Gill disse,

Ele tinha que por ele ao sofrimento [causou Ele ao sofrer]…quando ele não poupou-lhe, mas entregou nas mãos de homem mau, e para morte: ele foi situado para sofrer no jardim, quando sua alma estava excessivamente aflito; e na cruz, quando ele foi pregado, [e] tive o peso de pecado de seu povo, e a ira de seu pai, sobre ele; e quando ele escondeu rosto dele, o qual fez ele gritar, Deus meu, Deus meu, porque me desamparaste?... [permitindo] ele para ser situado ao sofrimento, ambos em corpo e mente (John Gill, D.D., An Exposition of the Old Testament, The Baptist Standard Bearer, 1989 reprint, vol. V, page 315).

Jesus com vontade sofreu o esmagamento e o sofrimento, o açoitamento e a crucificação, sofrendo voluntariamente por nossos pecados, por Ele disse,

“Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou” (João 6:38).

“A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus” (Atos 2:23).

“Fazendo-se maldição por nós” (Gálatas 3:13).

“E ele é a propiciação pelos nossos pecados” (I João 2:2).

“Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue” (Romanos 3:25).

Nenhuma língua pode dizer a ira que Ele tomou,
   A ira tão por causa de mim;
Deserto de pecado; Ele tomou todo,
   Para livrar o pecador!
(“The Cup of Wrath” por Albert Midlane, 1825-1909).

“Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar…” (Isaías 53:10).

III. Terceiro, Deus fez a alma de Jesus uma oferenda por pecado.

Vamos nos levanter e ler o texto em alta voz, terminado com “uma oferta por pecado.”

“Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado” (Isaías 53:10).

Vocês podem sentar-se.

Observe a palavra “todavia” no começo do texto. Isto refere ao versículo nove, “ainda que nunca cometeu injustiça, nem houve engano na sua boca. Todavia…” (Isaías 53:9-10a). Mesmo que Jesus nunca tinha pecado, “Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar…” O comentário de Dr. Gaebelein diz, “Versículo 10a é quase chocante em sua presentação aparente de negligência arbitrária por justiça particular de [Cristo], mas então o leitor recorda a natureza substitutiva de estes sofrimentos…Em uma vez Deus é visto à não ser duro mas de forma espantosa generoso” (Frank E. Gaebelein, D.D., General Editor, The Expositor’s Bible Commentary, Zondervan, 1986, volume 6, p. 304).

“Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado” (Isaías 53:10).

“Aquele…nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós” (Romanos 8:32).

“Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro…e pelas suas feridas fostes sarados” (I Pedro 2:24).

“Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (II Coríntios 5:21).

“Quando a sua alma se puser por expiação do pecado” (Isaías 53:10).

Nenhuma língua pode dizer a ira que Ele tomou,
   A ira tão por causa de mim;
Deserto de pecado; Ele tomou todo,
   Para livrar o pecador!
(“The Cup of Wrath” por Albert Midlane, 1825-1909).

“Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado” (Isaías 53:10).

Cristo foi oferenda de Deus por pecado. Cristo morreu em seu lugar, como seu substituto. Cristo sofreu por você vicariamente, como um propiciação, para pagar o castigo de seu pecado, para virar a ira de Deus fora desde você e toma e receber todo sobre a si mesmo. Quando você pensa de pregos pregados através de Suas mãos e pés, isto foi feito por você. Ele morreu o justo por o injusto, para trazer você à Deus em um estado corretamente perdoado. Spurgeon disse,

Homem por pecado foi condenado ao fogo eterno; quando Deus colocou Cristo para ser o substituto isto é verdade, ele não mandou Cristo adentro de fogo eterno, mas ele derramou sobre ele sofrimento, tão desesperado, que isto foi pagamento válido por até fogo de eternidade…por Cristo em aquela hora tomou todo nosso pecado, passado, presente, e de vir, e foi castigado por eles tudo lá e por isso, que nós talvez nunca vamos ser castigados, porque ele sofreu em nosso [lugar]. Você vê, então, como isto foi que Deus o Pai feriu ele? Senão ele tem feito assim, as agonias de Cristo não poderia ter sido por nosso sofrimento [merecido] [no Inferno] (C. H. Spurgeon, “The Death of Christ,” The New Park Street Pulpit, Pilgrim Publications, 1981 reprint, volume IV, pp. 69-70).

Ainda a morte de Cristo não salva -todo homem de Inferno. Somente aqueles quem confia Cristo são salvos. Ele morreu por pecadores, e somente por pecadores; Ele morreu por aqueles quem sente entre si mesmo que eles são pecadores, e procura Cristo para perdoar eles.

Seu sentido de pecado e seu sentido de necessidade por Jesus são as qualidades que mostra Sua morte irá curar seu pecado. Aqueles quem pausa por um momento para pensar sobre morte Dele, e depois esquece sobre isto, irá continuar à receber castigo eterno por pecados deles, porque eles rejeitaram o pagamento que Cristo fez na Cruz.

Pense bastante e profundamente sobre isto. Pense bastante e profundamente sobre as palavras de notável hino de Toplady “Propiciação.”

Para mim foi dado o imaculado Cordeiro
   Para carregar a ira de Seu Pai
Eu vejo Suas feridas de sangue e sei
   Meu nome está escrito lá.

Adiante de Senhor Seu sangue brotante,
   Em corrente púrpura fluiu;
E cada ferida proclamaram altamente
   Seu amor maravilhoso ao homem.

Por mim, o sangue de Salvador ajuda,
   Todo-poderoso para expiar;
As mãos que Ele entregou para pregos perfurantes
   Irá me conduzir ao Seu trono.
(“Propitation” por Augustus Toplady, 1740-1778;
      to the tune of “At the Cross”).

Agora, então, porque você não tinha confiado em Jesus? O que é que faz você não confiar Nele? Qual pecado secreto você esconde que faz você não confiar em Ele? Que desejo falso e imprudente impede você ao Salvador? Qual medo de perder algo faz você pensar que é importante impede você? Qual razão escondido impede você de confiar Cristo quem carregou a ira terrível de Deus para salvar você de julgamento? Deixe estes pensamentos atrás de você – e confie “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (João 1:29). Ele espera por você. Não atrasa mais. Confie Ele agora, esta noite. A sala de inquisição está aberto por aqueles quem deseja procurar por Ele, e confiar em Ele, e ser salvo por Ele.

(FIM DE SERMÃO)
Você pode ler sermões do Dr. Hymers cada semana no Internete
em www.realconversion.com. Clique no “Sermão em Português.”

You may email Dr. Hymers at rlhymersjr@sbcglobal.net, (Click Here) – or you may
write to him at P.O. Box 15308, Los Angeles, CA 90015. Or phone him at (818)352-0452.

Solo Cantado Antes de Sermão por Mr. Benjamin Kincaid Griffith:
“Propitiation” (por Augustus Toplady, 1740-1778;
to the tune of “At the Cross”).


PLANO DE

PROPICIAÇÃO!
(SERMÃO NÚMERO 11 SOBRE ISAÍAS 53)

PROPITIATION!
(SERMON NUMBER 11 ON ISAIAH 53)

por Dr. R. L. Hymers, Jr.

“Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado” (Isaías 53:10).

(Lucas 16:23; Romanos 3:25; 8:32; Atos 2:23; João 3:16)

I.   Primeiro, Deus feriu Jesus, Isaías 53:10a; Mateus 26:31; Marcos 14:27;
Lucas 22:44.

II.  Segundo, Deus colocou Jesus ao sofrimento, Isaías 53:10b; João 6:38.

III. Terceiro, Deus fez a alma de Jesus uma oferenda por pecado,
Isaías 53:10c; Isaías 53:9-10a; Romanos 8:32; I Pedro 2:24;
II Coríntios 5:21; João 1:29.