Print Sermon

Os manuscritos dos sermões e videos do site www.sermonsfortheworld.com alcançam agora cerca de 116.000 computadores em mais de 215 países a cada mês. Centenas de outros assistem os vídeos noYouTube, mas rapidamente deixam o YouTube, pois cada vídeo os direciona para nosso website. O Youtube direciona as pessoas para nosso website. Os manuscritos dos sermões são traduzidos em 34 idiomas para milhares de pessoas a cada mês. Por favor clique aqui para saber como fazer uma doação mensal para ajudar-nos nesta grande obra de espalhar o Evangelho para todo o mundo, incluindo as nações muçulmanas e hindus.

Ao escrever para Dr. Hymers, mencione sempre o país no qual você vive, caso contrário ele não poderá responder-lhe. O email do Dr. Hymers é rlhymersjr@sbcglobal.net.




O SUOR ENSANGUENTADO

THE BLOODY SWEAT
(Portuguese)

por Dr. R. L. Hymers, Jr.

Um sermão pregado no Tabernáculo Batista de Los Angeles
Noite do Dia do Senhor, 6 de março de 2016
A sermon preached at the Baptist Tabernacle of Los Angeles
Lord’s Day Evening, March 6, 2016

“E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue que corriam até ao chão” (Lucas 22:44).


Esta mensagem é baseada em dois grandes sermões de C. H. Spurgeon, “A agonia no jardim” (18 de outubro, 1874) e “Getsêmani” (08 de fevereiro de 1863). Vou dar-lhes uma sinopse dessas duas obras-primas da homilética pregadas pelo Príncipe dos Pregadores. Nada aqui é original. Eu simplifiquei esses sermões para a mente menos instruída do homem moderno. Estes pensamentos foram recolhidos a partir dos sermões do grande pregador, e eu os apresento a vocês na esperança de que o Cristo no Jardim do Getsêmani por Spurgeon retratado venha capturar sua alma e mudar seu destino eterno.

Jesus comeu a Páscoa e celebrou a Ceia do Senhor com seus discípulos. Ele, então, saiu com eles para o Jardim do Getsêmani. Por que Ele escolheu o Getsêmani para começar a sua agonia? Teria sido pelo pecado de Adão nos ter arruinado em um jardim, o Jardim do Éden; que o último Adão desejou restaurar-nos em outro jardim, o Jardim do Getsêmani?

Cristo frequentemente vinha ao Getsêmani para orar. Era um lugar onde, anteriormente, Ele já havia estado muitas outras vezes. Jesus nos queria mostrar que o nosso pecado havia transformado em tristeza tudo ao seu respeito. O lugar que mais lhe agradara ir tornou-se o lugar onde Ele foi chamado a sentir o maior sofrimento.

Talvez Ele tenha escolhido o Getsêmani, porque o lugar o lembrasse de tempos passados em oração. Por ser ali o lugar onde Deus lhe houvesse tantas vezes respondido. Talvez Ele tivesse sentido que precisava da lembrança das respostas de Deus à suas orações para ajudá-lo agora, quando entrava em agonia.

Provavelmente a razão principal que O levou ao Getsêmani para orar tenha sido o hábito de ir a aquele lugar, e todos sabiam disso. João nos diz: “Judas, que o traía, também conhecia aquele lugar, porque Jesus muitas vezes se ajuntava ali com os seus discípulos" (João 18:2). Jesus deliberadamente foi para o lugar onde Ele sabia que iriam prendê-lo. Ao chegar a hora de ser traído, Ele foi “como um cordeiro ao matadouro” (Isaías 53: 7). Ele não se escondeu dos soldados do sumo sacerdote. Ele não precisou ser caçado como um ladrão, ou procurado por espiões. Jesus foi de boa vontade ao lugar onde poderia ser facilmente encontrado pelo traidor e preso pelos Seus inimigos.

E agora entramos no Jardim do Getsêmani. Quão escura e terrível é essa noite. Certamente podemos dizer com Jacó: “Quão terrível é este lugar!” (Gênesis 28:17). Ao meditar sobre o Getsêmani, pensaremos na agonia de Cristo, e eu tentarei responder a três perguntas sobre Seu sofrimento no Jardim.

I. Em primeiro lugar, qual foi a causa da dor e agonia de Cristo no Getsêmani?

As Escrituras nos dizem que Jesus era “homem de dores, e experimentado nos sofrimentos" (Isaías 53: 3), mas Ele não tinha uma personalidade depressiva. Ele tinha tamanha paz dentro de si mesmo que lhe permitia dizer “A minha paz vos dou” (João 14:27). Eu não creio estar enganado ao dizer que Jesus era um homem calmo, feliz.

Mas no Getsêmani tudo se transforma. Sua paz desaparece. Sua alegria transforma-se em agitada tristeza. Ao descer a encosta íngreme que leva de Jerusalém, do outro lado do riacho Kedron, ao Getsêmani, o Salvador orou e conversou alegremente (João 15-17).

“Tendo dito isso, saiu com os seus discípulos para além do ribeiro de Cedron [Kedron], onde havia um jardim, no qual ele entrou com seus discípulos” (João 18: 1).

Jesus raramente havia proferido qualquer palavra sobre estar triste ou deprimido durante toda sua vida. Mas agora, ao entrar no jardim, tudo muda. Ele clama: “Se for possível, passe de mim este cálice” (Mateus 26:39). Em toda a sua vida, Jesus dificilmente havia proferido qualquer expressão de tristeza ou depressão, mas aqui Ele suspira, transpira sangue, e diz: “A minha alma está profundamente triste até a morte” (Mateus 26:38). O que há de errado Contigo, Senhor Jesus, para que estejas tão profundamente perturbado?

Claramente nota-se que essa tristeza e angústia não foram causadas por dor corporal. Jesus nunca antes houvera queixado-se de qualquer problema físico. Ele entristeceu-se quando da morte de seu amigo Lázaro. Ele, sem dúvida, sentiu tristeza quando Seus inimigos disseram que Ele era um beberrão, ou quando o acusaram de expulsar demônios pelo poder de Satanás. Mas Ele enfrentou corajosamente todo o escárnio. Isso era passado. Todavia, havia nesse momento pelo qual agora passava o Salvador algo mais pungente que a dor, mais cortante que a censura, mais terrível que o luto, algo que o fazia “triste e muitíssimo angustiado” (Mateus 26:37).

Você acha que era o medo da morte, ou temor da crucificação? Muitos mártires morreram bravamente por sua fé. Seria desonrar a Cristo pensar que Ele tivesse tido menos coragem do que esses. Não se deveria jamais pensar que nosso Mestre fosse inferior aos seus próprios mártires que O seguiram até a morte! Além disso, a Bíblia diz: “O qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta ...” (Hebreus 12: 2). Ninguém poderia desafiar a dor da morte melhor do que Jesus. Isso não poderia ter sido a razão de Sua agonia no Jardim.

Eu, tão pouco, creio que a agonia do Getsêmani tenha sido causada por um ataque inesperado de Satanás. Cristo, no início de seu ministério, passou por um severo conflito com o diabo ao ser tentado no deserto. No entanto, não lemos que Jesus “estava em agonia” no deserto. Sua tentação no deserto não teve nada similar ao suor ensanguentado do Getsêmani. Quando o Senhor dos anjos ficou cara a cara com Satanás, Ele não caiu prostrado ao chão clamando ao Pai em alta voz, com lágrimas de sangue. Comparado ao Getsêmani, o conflito de Cristo com Satanás foi fácil. Essa agonia no Getsêmani feriu-lhe a própria alma levando-O à beira da morte.

O que, então, veio a causar Sua agonia? Ou seja, quando Deus O fez enfermar por nós. Foi nesse momento que Jesus teve que aceitar da mão do Pai um certo copo. Ele queria poder ter evitado esse momento. Você pode estar seguro de que esse certo copo era mais terrível do que a dor física, já que Ele disso não se acovardou. Era pior do que ter pessoas furiosas com Ele – disso Ele não se esquivou. Era mais terrível do que a tentação satânica - que Ele houvera vencido. Era algo inconcebivelmente terrível, incrivelmente horrível - que veio do Deus Pai sobre Ele.

Esse versículo remove todas as dúvidas sobre o que causou Sua agonia:

“O Senhor fez cair sobre Ele a iniqüidade de nós todos” (Isaías 53: 6).

Ele agora tem sobre Si a maldição que deveria ter caído sobre os pecadores. Ele levantou-se e sofreu no lugar do pecador. Esse é o segredo dessas agonias impossíveis de se explicar. Nenhuma mente humana poderá compreender plenamente esse sofrimento.

Só Deus, e somente Deus
Pôde todo esse sofrimento conhecer.
   (Tradução livre de “Thine Unknown Sufferings” por Joseph Hart, 1712-1768).

O Cordeiro de Deus leva em seu corpo os pecados da humanidade, e em Sua alma o peso dos nossos pecados.

“Levando Ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados (I Pedro 2:24).

Eu creio que todos os nossos pecados foram colocados “em Seu próprio corpo” no Getsêmani, e que Ele levou os nossos pecados até a Cruz no dia seguinte.

Lá no Jardim Cristo percebeu plenamente o significado de ser o portador dos nossos pecados. Ele tornou-se o bode expiatório, levando sobre Sua cabeça os pecados de Israel, Ele foi tomado e feito oferta pelo pecado, foi levado para fora do acampamento e totalmente consumido pelo fogo da ira de Deus. Você pode ver agora porque Cristo atemorizou-se? Era algo agonizante para Cristo estar diante de Deus em lugar de nós pecadores - como diria Lutero: para ser encarado por Deus como se Ele mesmo fosse todos os pecadores do mundo. Ele agora se torna o centro de toda a vingança e ira de Deus. Ele carrega sobre Si o veredito que deveria ter caído sobre o homem pecador. Estar em tal posição deve ter sido terrível para Cristo.

Também, o castigo do pecado começou a cair sobre Ele no jardim. Primeiro, o próprio pecado caiu sobre Ele, e, em seguida, o castigo do pecado. Não foi um pequeno sofrimento que pagou a justiça de Deus pelos pecados dos homens. Eu nunca temo exagerar o que o nosso Senhor suportou. Todo o Inferno foi derramado na taça que Ele tomou.

Os “ais” vertidos sobre o espírito do Salvador, o grande e insondável oceano de angústia inexprimível que acoitaram a alma do Salvador em Sua morte sacrificial, é tão inconcebível que não posso tentar ir mais além, ou alguém poderá acusar-me de tentar explicar o inexplicável. Uma coisa, todavia, eu direi: o mero salpicar do grande abismo tempestuoso do pecado humano caído sobre Cristo, batizou-o em um suor ensanguentado. Ser tratado como um pecador, ser punido como um pecador, embora nunca tivesse pecado - isto foi o que O levou a agonia da qual nosso texto fala.

“E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue que corriam até ao chão” (Lucas 22:44)

Chegamos agora à próxima pergunta:

II. Em segundo lugar, qual era o significado do suor ensanguentado de Cristo?

Ellicott diz-nos que a realidade do suor de sangue é “o ponto de vista geral, recebido” (traduzido de Charles John Ellicott, Commentary on the Whole Bible, volume VI, p. 351). Ele continua a salientar que o próprio termo “suor de sangue” [foi] observado como um sintoma de exaustão extrema em Aristóteles" (ibid.). De Agostinho até os dias de hoje a maioria dos comentaristas têm sustentado que as palavras "como se fosse" significam que era literalmente sangue. Nós também cremos que Cristo realmente suou sangue. Embora seja sobremodo incomum, isto foi testemunhado em outras pessoas em vários momentos da história. Nos velhos livros de medicina de Galen, e alguns outros mais recentes, há registros de pessoas que após um longo período de fraqueza chegaram a suar sangue.

Todavia, o caso de Cristo haver derramando suor ensanguentado é único. Ele não só suou sangue, mas foram grandes gotas ou "coágulos", grandes e pesadas gotas. Isto jamais foi visto em qualquer outro caso. Um pouco de sangue apareceu no suor de pessoas enfermas, mas nunca grandes gotas. Em seguida, somos informados de que estes grandes coágulos de sangue não aparecem através de Suas roupas, mas foram “caindo ao chão.” Aqui Cristo se destaca na história da medicina. Ele está em boa saúde, um homem de cerca de trinta e três anos de idade. Todavia a pressão mental decorrente do peso da carga do pecado sobre Ele, o esvair de todas as suas forças, foi isso, sim, que forçou seu corpo a uma excitação tão anormal, que levou Seus poros se abriram e grandes gotas de sangue serem formadas e caírem por terra. Isso mostra quão grande foi o peso do pecado que estava sobre Ele. Peso tão grande que esmagou o Salvador até que sangrasse pelos poros.

Isto estabelece a natureza voluntária do sofrimento de Cristo, haja visto que mesmo sem o corte de uma faca o sangue fluía livremente. Médicos dizem que quando a maioria dos homens sofrem um grande susto, o sangue corre para o coração. As maçãs do rosto empalidecem; um desmaio pode ocorrer; e o sangue some. Mas veja nosso Salvador em Sua agonia. Ele esquece de si mesmo tanto que o seu sangue, em vez de ir para dentro, para alimentá-lo, é conduzido para fora, para cair no chão. O derramamento do seu sangue na terra mostra a plenitude da salvação oferecida gratuitamente a você. Assim como o sangue derramado livremente pelos Seus poros, você pode possa ser lavado e liberto de seus pecados ao confiar em Jesus.

“E, posto em agonia, orava mais intensamente; eo seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue que caíam no chão” (Lucas 22:44).

O suor ensaguentado veio como resultado de Sua tristeza de alma. Dor no coração é a pior dor. Tristeza e depressão são os pesares mais escuros. Aqueles que têm conhecido depressão profunda podem constatar essa verdade. Em Mateus lemos que Ele estava “triste e muito angustiado” (Mateus 26:37). A expressão “Muito angustiado” - é cheia de significado. Ela descreve uma mente completamente ocupada pela tristeza, excluindo todo e qualquer outro pensamento. Sua posição como o portador de nossos pecados levou Sua mente a distanciar-se de qualquer outro pensamento. Ele foi sacudido e açoitado de todos os lados por uma poderosa tempestade de preocupações mentais. "Nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido" (Isaías 53: 4). "Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito" (Isaías 53:11). Seu coração sucumbiu. Ele estava cheio de consternação e horror. Estava “em extrema angustia”. O estudioso Thomas Goodwin disse: “A palavra denota uma falha, deficiência, e esgotamento de espírito, como acontece com os enfermos ou alguém que desfalecem. A “Doença de Epafrodito”, que o levou à beira da morte, foi chamada pela mesma palavra. Assim, vemos que a alma de Cristo estava enferma e desfalecida. Seu suor foi produzido por exaustão. O suor frio e pegajoso de homens à beira da morte vem por causa da fraqueza de seus corpos. Mas o suor ensanguentado de Jesus veio do desfalecimento de Sua alma, ao ser subjugada ao peso dos nossos pecados. Ele experimentou um terrível desfalecimento de alma, sofreu uma morte interior, acompanhada por um pranto ensaguentado que lavou todo seu corpo. Ele estava “em extrema angustia”.

O evangelho de Marcos nos diz que Ele começou então a ter "pavor" (Marcos 14:33). A palavra grega significa que seu espanto produziu um horror extremo, como acontece com pessoas deixando o cabelo em pé e a carne tremendo. A entrega da Lei fez Moses tremer de temor; e o nosso Senhor foi ferido com horror à vista do pecado que sobre Ele foi colocado.

O Salvador ficou primeiramente entristecido, então deprimido e angustiado, e, por último “tremendamente aterrorizado” Ele estava grandemente agitado e angustiado. Quando chegou o momento de levar sobre si nossos pecados, Ele estava completamente estarrecido e aterrado por ter de colocar-se em lugar do pecador diante de Deus. Ele ficou atônito ao ver Deus olhando para Ele como sendo o representante do pecador. Ele estava atônito ao pensar que seria abandonado por Deus. Sua natureza santa, amorosa e terna tremeu, e Ele foicou assombrado, “espantado” e “sobremaneira angustiado”.

Ainda temos a informação Dele haver dito: “A minha alma está profundamente triste até a morte” (Mateus 26:38). A palavra grega “perilupos” significa estar rodeado por todos os lados por sofrimentos. No sofrimento comum geralmente há alguma válvula de escape, uma brecha de esperança. Geralmente trazemos à memoria de alguém que está passando por um grande problemas que seu caso poderia ser pior. No caso de Jesus, todavia, nada pior poderia ser imaginado, pois Ele poderia dizer com Davi, “as angústias do inferno de mim se apoderaram” (Salmo 116: 3). Ondas e mais ondas de Deus O tragaram. Elas o cobriam e estavam sobre Ele, sob Ele, à Sua volta, por fora, e por dentro Dele, tudo, tudo era angústia e não havia como escapar de Sua dor e tristeza. Nenhum sofrimento poderia ter sido maior que o de Cristo, e Ele disse: “A minha alma está profundamente triste”, rodeado pela tristeza, “até a morte”!

Ele não morreu no Jardim do Getsêmani, mas sofreu tanto como se tivesse morrido. Sua dor e angústia foram até os portais da morte - e então fizeram uma pausa.

Não me surpreende que tal pressão interior tenha levado nosso Senhor a suar grandes gotas de sangue. Eu quero tornar esse ponto o mais claro possivel, partindo do ponto de vista humano.

Só Deus, e somente Deus
Pôde todo esse sofrimento conhecer.

“E, posto em agonia, orava mais intensamente; e o Seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue que caíam no chão” (Lucas 22:44).

III. Em terceiro lugar, por que Cristo passou por tudo isso?

Estou certo de que muitas pessoas se perguntam: por que Cristo teve que passar por tanta agonia a ponto de suar gotas de sangue?. Eles podem dizer: “Eu sei que Ele passou por tudo isso, mas eu não entendo por que Ele teve que passar por isso.” Vou dar-lhes seis razões pelas quais Jesus teve que passar por essa experiência no Jardim do Getsêmani.

1. Em primeiro lugar, para nos mostrar-nos Sua real humanidade. Não pense Nele meramente como Deus, mesmo sendo Ele inteiramente divino, sinta-O como sendo um parente próximo, ossos de seus ossos, carne da sua carne. Como tão bem Ele pode simpatizar-se com você! Ele foi sobrecarregado por todos os seus fardos e entristecido por todos os seus sofrimentos. Nada jamais acontece com você que Jesus não entenda. É por isso que Ele é capaz de sustentá-lo quando você passa por suas tentações. Aceite a Jesus como seu amigo. Ele o confortará e estará com você durante todos os problemas da vida.

2. Em segundo lugar, para dar-nos o exemplo. O apóstolo Pedro disse: “Cristo sofreu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas" (I Pedro 2:21). Eu discordo totalmente com esses pregadores que dizem que sua vida de cristão vai ser fácil! O apóstolo Paulo disse: “Todos o que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguição”(II Timóteo 3:12). Ele disse: “Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo" (II Timóteo 2: 3). Paulo disse essas palavras para um jovem pregador. O ministério é um trabalho duro. A maioria dos homens não pode fazê-lo. De acordo com George Barna, 35 a 40 por cento de todos os pastores hoje deixa o ministério. É um dos chamados mais difíceis do mundo. Nenhum homem pode suportá-lo, a menos que ele seja um soldado de Cristo! Não apenas pastores, mas todos os bons cristãos passam por sofrimento para servir a Deus. A Bíblia diz: ‘Pois que por muitas tribulações nos importa entrar no reino de Deus" (Atos 14:22). Acho que foi o Dr. John Sung, que disse: “Sem Cruz” - Sem coroa”.

3. Em terceiro lugar, a sua experiência no Jardim mostra a maldade do pecado. Você é um pecador, coisa que Jesus nunca foi. Oh pecador, seu pecado deve ser uma coisa terrível, uma vez que causou a Cristo tamanha dor. A imputação do nosso pecado causou Seu suor ensanguentado.

4. Em quarto lugar, o Seu tempo de provação no Jardim mostra seu amor por nós. Ele suportou o horror de ser contado como pecador em nosso lugar. Devemos-lhe tudo por haver sofrido em nosso lugar, para pagar a pena pelos nossos pecados. Devemos amá-lo muito por nos ter amado tanto assim.

5. Em quinto lugar, olhe para Jesus no Jardim e aprenda a grandeza de Sua expiação. Quão negro, quão imundo eu sou aos olhos de Deus. Eu sinto que sou merecedor de ser lançado no inferno. Eu me surpreendo com o fato de Deus já não me haver lançado lá há muito tempo. Mas eu me volto para o Getsêmani, e, debaixo daquelas oliveiras, eu vejo meu Salvador. Sim, eu O vejo caído ao chão em tormento, e eu ouço gemer. Eu olho no solo ao seu redor e o vejo vermelho com seu sangue, e Seu rosto manchado com o suor ensanguentado. Eu pergunto-lhe: “Salvador, o que há de errado contigo?” E o ouço responder: “Estou sofrendo pelo seu pecado.” Eu compreendo que Deus pode dar o perdão pelos meus pecados através de Seu sacrifício por mim. Venha a Jesus e creia n'Ele. Seus pecados serão perdoados através de Seu Sangue.

6. Sexto, pense no terror do castigo que virá para aqueles que rejeitam Seu Sangue expiatório. Pense que se você O rejeitar, um dia você terá que estar diante de um Deus santo e será julgado pelos seus pecados. Vou dizer-lhe, e é com dor no meu coração que eu digo, o que vai acontecer com você se você rejeitar o Salvador, Jesus Cristo. Não em um jardim, mas em uma cama, você vai ser surpreendido e subjugado pela morte. Você vai morrer, sua alma será julgada e enviada para o inferno. Que o Getsêmani possa servir-lhe de aviso. Deixe Seus gemidos e lágrimas e suor ensanguentado movê-lo a arrepender-se dos seus pecados e crer em Jesus. Venha a Ele. Confie nele. Ele ressuscitou dos mortos e está vivo, sentado à direita de Deus no céu. Venha a Ele agora e seja perdoado, antes que seja tarde demais. Amém.

Se este sermão lhe abençoou o Dr. Hymers gostaria de ouvir de você. QUANDO VOCÊ FOR ESCREVER PARA O DR. HYMERS VOCÊ TEM QUE DIZER-LHE DE QUAL PAÍS VOCÊ ESTÁ ESCREVENDO OU ELE NÃO PODERÁ RESPONDER AO SEU E-MAIL. Se estes sermões lhe abençoou envie um e-mail para o Dr. Hymers e conte para ele, mas sempre inclua o país de onde você está escrevendo. O e-mail do Dr. Hymers é rlhymersjr@sbcglobal.net (clique aqui). Você pode escrever para o Dr. Hymers em qualquer idioma, mas escreva em Inglês se você puder. Se você quiser escrever para o Dr. Hymers por correio, o seu endereço é P.O. Box 15308, Los Angeles, CA 90015. Você pode ligá-lo por telefone para (818)352-0452.

(FIM DE SERMÃO)
Você pode ler sermões do Dr. Hymers cada semana na Internet
em www.sermonsfortheworld.com.
Clique no “Sermão em Português.”

Você pode enviar e-mail ao Dr. Hymers para rlhymersjr@sbcglobal.net (Clique Aqui)
ou você pode escrever para ele a P.O. Box 15308, Los Angeles, CA 90015.
Ou ligar para ele (818) 352-0452.

Estes manuscritos de sermão não estão protegidos com direitos autorais. Você pode usá-
los sem permissão do Dr. Hymers. Porém, todas as mensagens de vídeo do Dr. Hymers
estão com direitos autorais e podem ser usados somente com permissão.

Trecho das Escrituras Lido Antes do Sermão por Abel Prudhomme: Lucas 22:39-44.
Solo Cantado Antes do Sermão por Benjamin Kincaid Griffith:
“Thine Unknown Sufferings” (por Joseph Hart, 1712-1768).


PLANO DE

SUOR ENSANGUENTADO

THE BLOODY SWEAT

por Dr. R. L. Hymers, Jr.

“E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue que corriam até ao chão” (Lucas 22:44).

(João 18:2; Isaias 53:7; Gênesis 28:17)

I.   Em primeiro lugar, qual foi a causa da dor e agonia de Cristo no Getsêmani?
Isaías 53: 3; João 14:27; 18: 1; Mateus 26:39, 38, 37; Hebreus 12: 2; Isaías 53: 6; I Pedro 2:24; Lucas 22:44.

II.  Em segundo lugar, qual era o significado do suor ensaguentado de Cristo? Lucas 22:44; Mateus 26:37; Isaías 53: 4, 11;
Marcos 14:33; Mateus 26:38; Salmo 116: 3; Lucas 22:44.

III. Em terceiro lugar, por que Cristo passou por tudo isso?
I Pedro 2:21; II Timóteo 3:12; 2: 3; Atos 14:22.