Print Sermon

O objetivo deste site é fornecer gratuitamente manuscritos e vídeos de sermões para pastores e missionários em todo o mundo, especialmente o Terceiro Mundo, onde existem poucos seminários teológicos ou escolas bíblicas.

Estes manuscritos e vídeos de sermões alcançam agora cerca de 1.500,000 computadores em mais de 221 países anualmente através do site: www.sermonsfortheworld.com. Centenas de outras pessoas assistem os vídeos noYouTube, mas rapidamente deixam o YouTube, pois cada vídeo os redireciona para nosso website. O YouTube redireciona as pessoas para nosso website. Os manuscritos dos sermões são traduzidos para 39 idiomas para cerca de 120.000 computadores mensalmente. Estes sermões manuscritos não estão protegidos por direitos autorais, para que, assim, pregadores possam usá-los sem nossa autorização. Clique aqui para saber como fazer uma doação mensal para ajudar-nos nesta grande obra de divulgar o Evangelho para todo o mundo, incluindo nações muçulmanas e hindus.

Ao escrever para Dr. Hymers, mencione sempre o país no qual você vive, caso contrário ele não poderá responder-lhe. O email do Dr. Hymers é rlhymersjr@sbcglobal.net.




A TERÇEIRA MANEIRA – CONVERSÃO DE CRISE

THE THIRD WAY – CRISIS CONVERSION
(Portuguese)

por Dr. R. L. Hymers, Jr.

Sermão pregado no Tabernáculo Batista de Los Angeles
Dia do Senhor de noite, 9 de Março, 2014
A sermon preached at the Baptist Tabernacle of Los Angeles
Lord’s Day Evening, March 9, 2014

e “A Caution For Expository Preaching” [Precaução Por Pregação Expositiva]
por Iain H.Murray

“E disse: Um certo homem tinha dois filhos; E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda. E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente. E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades. E foi, e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos, a apascentar porcos. E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada. E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti; Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros” (Lucas 15:11-19).


Existe duas maneiras de pregar o Evangelho para pessoas perdidas hoje. A primeira maneira é normalmente chamado “Easy Believism” [Crendismo Fácil]. A segunda maneira é chamado “¬Lordship Salvation” [Salvação de Senhorio]. Obviamente existe algo errado com ambos de estes métodos porque nenhum de estes têm sido usado por Deus em despertar de qualquer grande magnitude no mundo que fala Inglês desde o reavivamento do ano 1859.

Também, pregadores dominantes têm dito que a maioria dos membros da igreja hoje nunca tiveram sido convertidos. Em nosso livro, Preaching to a Dying Nation [Pregando Para uma Nação Morta], meu associado Dr. C. L. Cagan e eu citamos muitos de estes líderes quem apontaram que maioria dos Evangélicos e Fundamentalistas são perdidos, incluindo professores de Escola Dominical, diáconos, esposas de pastor, e até mesmo os pastores. Dr. A. W. Tozer disse, “Entre igrejas evangélicas provavelmente não mais de um entre dez sabem nada experimentalmente sober o renascimento.” Dr. W. A. Criswell, o famoso pastor de Batista de Sul da grande igreja First Baptist Church de Dallas, Texas, disse, “ele estaria surpreso de encontrar 25% de seus membros no céu.” Atrás no ano de 1940, o jovem Billy Graham declarou que 85% de nossos membros de igreja “nunca têm sido renascidos.” Dr. Monroe “Monk” [Monge] Parker, falando sobre igrejas fundamentalistas, disse, “Se nós pudéssemos fazer a metade de membros da igreja ser salvos, nós iríamos ver um grande reavivamento. Em fato, eu penso que se nós pudéssemos fazer a metade dos pregadores na América convertidos, nós iríamos ver um reavivamento poderoso” (Monroe “Monk” Parker, Through Sunshine and Shadows, Sword of the Lord Publishers, 1987, pp. 61, 72).

Todos de estes figuras estão notados ao pé da página desde sua origem em nosso livro, Preaching to a Dying Nation [Pregando Para um Nação Morta], (pp. 42, 43). Estes números dados por Dr. A. W. Tozer, Dr. W. A. Criswell, o jovem Billy Graham, e Dr. “Monk” Parker são somente estimativas, claro. Mas eles mostram que estas figuras de liderança acreditaram algo que foi terrivelmente errado com a maneira que nós fazemos o evangelismo. E, como eu disse, os dois métodos usados em apresentação de Evangelho são “Crendismo Fácil” e “Salvação de Senhorio.” Nenhum de estes têm sido usado por Deus para produzir muitos conversões reais.

A primeira maneira é normalmente chamado “Crendismo Fácil.” Isto é a maioria dos métodos usados por Evangélicos e Fundamentalistas hoje. Isto depende em fazer a pessoa perdida à dizer o que eles chamam “A Oração do Pecador,” perguntando Jesus para “vir dentro de coração deles.” E depois a pessoa perdida é considerado “salvo,” mesmo que eles mostram nenhum sinal de mudança, continuando em viver pecado profundo, recusando de atender igreja regularmente. Existe literalmente milhões de pessoas em esta condição no mundo que fala Inglês.

O segundo método de evangelismo é chamado “Salvação de Senhorio.” Este método apareceu como uma reação contra “Crendismo Fácil.” Mas “Salvação de Senhorio” tem falhado para corrigir “Crendismo Fácil.” Ainda que aqueles quem apoiam este aspecto muitas vezes têm brilho que outros, método deles nunca tem sido usado em reavivamento clássico, nem tem sido usado, em qualquer forma principal, para adicionar convertidos reais às nossas igrejas. Pregadores de “Senhorio” tentam de corrigir a ilegalidade e pecado de “Crendismo Fácil” através de fortemente e repetidamente enfatizando a doutrina, e o que eles chamam de “arrependimento.” Isto usualmente resulta na pessoa perdida mantendo a forma de “Sandemanianismo,” e mantendo a forma de justiça por obra. “Sandemanianismo” refere a crença em versículos e doutrinas de Bíblia, ao invés de confiar Jesus Cristo Próprio. Um de estes pregadores disse, “Nós devemos acreditar ou confiar em o que Deus tem feito.” Apesar ele não possa saber isto, isto é a definição de “Sandemanianismo.” Isto diz ao pecador que ele será salvo por acreditar o que a Bíblia diz em lugar de confiar Jesus Crito Próprio. Veja o capítulo sobre “Sandemanianismo” em livro de Dr. Martyn Lloyd-Jones, The Puritans: Their Origins and Successors, Banner of Truth, 2002 edition, pp. 170-190. Clique aqui para ler meu sermão sobre Sandemanianismo.

Os Fariseus em tempo de Cristo não dependeram em nenhuma forma de “Crendismo Fácil.” Eles viveram exteriormente vidas limpas. Eles estudaram a Escritura constantemente e acredtiram em isso. O que está faltando em vida deles? Somente uma coisa – Jesus Cristo Próprio! Jesus disse para eles,

“Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas [na Escritura] a vida eterna, e são elas que de mim testifica; E não quereis vir a mim para terdes vida” (João 5:39, 40).

C. H. Spurgeon disse, “Aquela fé o qual salva a alma é acreditar na pessoa, dependendo sob Jesus” (“The Warrant of Faith,” The Metropolitan Tabernacle Pulpit, volume 9, Pilgrim Publications, 1979, p. 530).

Em aquele mesmo sermão Spurgeon disse, “O mero conhecimento de estes fatos [na Bíblia] não irá, de qualquer maneira, salvar-nos, a menos que nós realmente e verdadeiramente confiamos nossas almas nas mãos do Redentor” (ibid.).

O Filho Pródigo, como nós vimos no texto, sabia que o “pai” teve “abundância de pão” (Lucas 15:17). Mas o mero conhecimento de estes fatos não resgataram ele desde fome. Ele teve que vir diretamente ao “pai” para receber o “pão.” Acreditar na Bíblia, até crença verdadeira em isto, nunca salvou ninguém. Homem pode acreditar na Bíblia, e nos grande credos, como o Catecismo de Westminster, sem ser salvo. O Apóstolo Paulo falou de “as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus” (II Timóteo 3:15). Crença na Bíblia, e os credos baseados em isto, não salvará. A Bíblia aponta-nos para Jesus Cristo. Nós somos salvos “pela fé que há em Cristo Jesus”! Nós não somos salvos por dizer as palavras de uma “oração de pecador.” Nós não somos salvos por acreditar o que a Bíblia diz sobre Jesus. Nós não somos salvos por obediência ao Criso o Senhor. Nós unicamente podemos ser salvos “pela fé que há em Cristo Jesus” (II Timóteo 3:15). A Bíblia faz isto claro quando diz, “pela graça sois salvos, por meio da fé” (Efésios 2:8). E esta fé deve ser centralizado em Jesus somente. Como o Apóstolo Paulo expressa isto, “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo” (Atos 16:31). Meu colega Dr. C. L. Cagan disse, “Em fato, nós somos pelo confiança ‘direto’ em Cristo, quem é o maior que estas outras coisas – ‘E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele,’ Colossenses 1:17” (Preaching to a Dying Nation, p. 220). Entendendo este um básico verdade curaria todas formas de “Crendismo Fácil” e “Salvação de Senhorio.”

O que eu estou apresentando aqui, nós chamamos “A Terceira Maneira – Conversão de Crise.” A primeira maneira é salvação por dizer a “Oração do Pecador.” A segunda maneira é tentar de fazer Jesus Senhor – o qual não totalmente depravado pecador nunca poderia fazer! Mas a “Terceira Maneira – Conversão de Crises” é o maneira de Escritura de conversão verdadeira. Eu tenho cunhado o termo “Conversão de Crises” – mas isto é somente um nome por as concepções velhos; isto é somente um nome novo por conversão clássica de Protestante e Batista. “Conversão de Crise” é o que Luther experienciou. “Conversão de Crise” é o que John Bunyan, George Whitefield, John Wesley, e C. H. Spurgeon experienciaram – e todas outras pessoas quem foram verdadeiramente convertidas antes do “Oração do Pecador” e “Salvação de Senhorio” virar popular – e todos senão destruídos o conceito mais antigo “Conversão de Crises” de nossos Batista e Protestante antepassados. Para fazer isto, eu vou descrever “depravação,” e depois eu vou descrever “despertamento.”

I. Primeiro, aqui está a descrição de “deprevação” do homem como revelado na terceira maneira de “Conversão de Crises.”

Eu tenho escolhido a história do Filho Pródigo para ilustrar o que nós queríamos dizer pelo antigo “Conversão de Crises,” como isto ocorreu até começar de ser substituido por “Oração do Pecador” e “Salvação do Senhorio.”

O Filho Pródigo foi um pecador. Ele perguntou por sua herança e levou desde casa “partiu para uma terra longínqua, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente” (Lucas 15:13). Isto é o que todos nós fazemos, em uma maneira ou outra. Nós viramos nossas costas desde o Cristo e vivemos sem Ele em um estado de pecado. Nós rejeitamos Cristo, justamente como o Filho Pródigo rejeitou seu pai. Em fato, em nosso estado não convertido, nós desprezamos e rejeitamos o Salvador, justamente como o Filho Pródigo, pelo ações dele, mostrado como ele desprezou e rejeitou seu pai,

“Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum” (Isaías 53:3).

Em nossos corações nós fomos inimigos de Deus e Seu Filho. Nós não fomos sujeito ao lei de Deus, como o Pródigo não foi sujeito ao lei de seu pai,

“Porquanto a inclinação da carne [mente de uma pessoa perdida] é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser” (Romanos 8:7).

Nossos corações foram incorretamente rebelde contra o Salvador. Em fato nós somos totalmente pecadores depravados, nem até uma faísca de justiça em nós. O Apóstolo Paulo disse que nós fomos “mortos em ofensas e pecados,” e nós estávamos abaixo de controle de Satanás, “o deus de este mundo” (Efésios 2:1).

Se você não é salvo, isto não é um retrato bonito de você. O Apóstolo disse, “Todos estão debaixo do pecado; Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer” (Romanos 3:9, 10). O profeta Isaías descreveu sua condição espiritual graficamente quando ele disse,

“…todo o coração, enfermo. Desde a planta do pé até a cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, e inchaços, e chagas podres não espremidas…” (Isaías 1:5, 6).

Isto foi a condição do Filho Pródigo. A Bíblia diz, “foi, e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos, a apascentar porcos. E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada” (Lucas 15:15, 16). E isto é sua condição também. Os “cidadãos daquela terra” é o Diabo, quem controla sua mente, “espírito que agora opera nos filhos da desobediência” (Efésios 2:2). Você está preso em esta condição horrível, um escravo de Satanás, vivendo a vida de um escravo ao Satanás, “mortos em nossas ofensas” (Efésios 2:5). Isto é conhecido como depravação total. Isto foi a condição do Filho Pródigo. Seu próprio pai disse que ele estava “morto” e que ele estava “perdido.” Ele disse, “Este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado…” (Lucas 15:24).

Em sua rebelião contra Cristo, você pensa que você está livre. Mas você é realmente um escravo, capturado em pecado, morto às coisas de Deus, dominado e segurado em cativeiro por Satanás. Você está controlado pelo Diabo bastante, que você atualmente pensa que sua escravidão ao pecado está livre! Você é um caso sem esperança, totalmente depravado, justamente como o Pródigo, quem foi reduzido para uma vida sem esperança de escravidão ao pecado. E você discutirá com qualquer um quem descreve para você sua condição perdida.

II. Segundo, aqui está a descrição de “despertamento” de um pecador à sua miséria, como revelado na terceira maneira de “Conversão de Crises.”

“E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!” (Lucas 15:17).

“Tornando em si.” Isto é, quando ele chega ao sentidos dele, quando ele desperta desde a coma de pecado, o stupor e inércia de pecado. “Tornando em si”; quando ele foi despertado desde o sono de morte – e depois ele pensou, “eu pereço.” Isto é o despertamento de um pecador perdido para sentir a misérial, a tormenta, a tristeza de viver em pecado. Este despertamento pode somente ser produzido pelo Espírito Santo. Em comentário de este texto, Spurgeon disse,

O homem insano não sabe que ele é insano, mas logo quando ele torna em si, ele dolorosamente [vê] percebe o estado desde o qual ele está escapando. Retornando então para razão verdadeira e julgamento sã, o pródigo tornou em si (C.H. Spurgeon, MTP, Pilgrim Publications, 1977 reprint, volume 17, p. 385).

Este despertamento é como que um homem quem teve sido hipnotizado, e depois causado para acordar de novo. Em legenda Grego Circe, a feticeira, transformou homens em porcos. Mas Ulysses forçou a feticeira para restaurar companheiros deles à forma original humana deles. Então o Espírito de Deus despertou o Pródigo. Somente então ele realizou qual situação perdido e terrível ele estava. O Apóstolo Paulo falou de “despertamento” quando ele disse,

“Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá” (Efésios 5:14).

Mas o “despertamento” de um pecador perdido não é pacífico. E isto é quando a crises acontece na terceira maneira de conversão real. Por fim a maneira mais comum que as pessoas são despertadas é através de pregação, como o Puritano Richard Baxter (1615-1691) muitas vezes apontou. Bastante pregadores citam Romanos 10:13 quando pregam o Evangelho. Mas dificilmente qualquer um deles pensam sobre o próximo versículo, o qual diz, “Como ouvirão, se não há quem pregue?”

É por isso que nós devemos ter pregação evangelítica na igreja. “Como ouvirão, se não há quem pregue?” E pregadores precisam aprender como pregar evangelicamente aos perdidos. Muitos poucos pregadores sabem como preparar e dar um sermão evangélico hoje – muitos pouco realmente! Eu não tenho escutado nenhum pregar um sermão evangélico corretamente por muitos anos! Isto tem tornado uma coisa de passado. Isto é a razão principal que a maioria das pessoas quem atendem nossas igrejas regularmente permanecem não salvos! “Como ouvirão, se não há quem pregue?”

Pregação evangélica deve mostrar o pecador que ele é amaldiçoado a menos que ele chega para Jesus. Isto deve mostrar ele que pecado situa na raiz de seu ser. Não “pecados,” mas pecado próprio, que separa Deus desde ele. Pecado é caracterizado por rebelião e egoísmo. O pecador deve ser causado na cara que, como o Pródigo, ele é extremamente rebelde contra Deus – e extremamente egoísta. O pecador perdido deve escutar isto pregado desde o púlpito até ele ver que ele deve ter uma mudança radical em seu coração. Isto deve ser estressado até o pecador começar de tentar realmente a mudar seu coração. Suas tentativas de mudar seu coração sempre irá falhar. E é esta falha que desperta mais o pecador à verdade horrível sobre seu estado perdido. Ele deve ser contado repetidamente que ele é perdido. Ele deve ser contado para lutar a encontrar Cristo. Ele deve ser contado de “Porfiai por entrar pela porta estreita...” (Lucas 13:24). Enquanto o pecador luta e falha, luta e falha, e luta e falha de novo, ele irá no mínimo sentir perdido sem esperança. Isto é exatamente a maneira que ele deve sentir, ou ele nunca irá achar descando em Jesus.

Isto é chamado “pregação de lei” – o qual todos os antigos, pregadores clássicos fizeram – até pecadores desistir toda esperança de mudar eles mesmo! Isto é o que o versículo queria dizer, “Pela lei vem o conhecimento do pecado” (Romanos 3:20). Por falhar repetidamente de virar uma pessoa santa, por falhar repetidamente de achar paz com Deus – e especialmete, por falhar repetidamente de chegar para Jesus – o pecador começa a pensar, “eu realmente sou perdido!” Isto é o despertamento que ele deve ter!

“E, tornando em si, disse… eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai…” (Lucas 15:17-18).

Em este ponto, quando o pecador haver desistido toda esperança de “estar certo” ou “fazer as coisas da maneira certa” – ele talvez assim pode “tornar em si” – acordar e realizar que ele deve descansar em Jesus, porque ele não consegue fazer nada para salvar ele mesmo!

“E, tornando em si.” O Pródigo teve que passar por tumulto interno, Inferno na terra, como Bunyan passou, antes de ele “tornar em si,” antes que sua mente foi mudado em arrependimento verdadeiro. Depois de tudo, a palavra Grega traduzida “arrependimento” significa “uma mudança de mente.” Isto é “a terceira maneira.” Isto é “conversão de crises.” “Eu sou nada além de um hipócrita e um pecador rebelde!” “Não existe esperança para mim.” “Eu estou em crises” Eu tenho que mudar – mas eu não consigo” Eu não consigo! Eu não consigo! Eu tenho tentado! Eu tenho tentado! O mais forte eu tento, o mais impossível isso é! Eu não consigo arrepender! Eu não consigo mudar! Eu não consigo mudar! Eu não consigo mudar meu coração! Eu sou perdido! Eu sou perdido! Eu sou perdido!” Isso não é exatamente o que aconteceu para Luther, Bunyan, John Wesley, Whitefield, Spurgeon, e Dr. John Sung – e outros convertidos verdadeiros? Por um tratamento profundo de este sujeito, um deve ler o clássico de Thomas Hooker (1586-1647), The Soul’s Preparation for Christ [A Preparação de Alma por Cristo]. Por um curto tratamento moderno leia The Old Evangelicalism: Old Truths for a New Awakening [O Antigo Evangelicalismo: Verdades Antigas para um Novo Despertamento] por Iain H. Murray (The Banner of Truth Trust, 2005).

É importante saber que não todos convertidos são exatamente o mesmo. Algumas pessoas estarão debaixo de convicção por um tempo curto que outros. Outros talvez somente sentir um pequeno golpe de convicção, enquanto outros irá permanecer mais ou menos em um estado de conviçcção por longo tempo. Minha própria esposa foi convertida na primeira vez quando ela ouviu o Evangelho. Também foi meu assistente Dr. Kreighton L. Chan. Deus é soverano e trabalha em Sua própria maneira de conversão dos pecadores. Muitas pessoas choram quando eles são condenados, em fato maioria das pessoas. Mas minha própria mãe teve uma conversão de vida sem derramar uma lágrima. Dois pontos são essenciais, todavia, em cada conversão real – o sentido de pecado da pessoa, e alívio desde pecado pela fé em Jesus Cristo Próprio! Estas duas coisas acontecem em cada conversão real. Estas duas coisas foram tão real na conversão de minha esposa e Dr. Chan como foi na conversão de Luther, Bunyan, John Wesley, George Whitefield e Spurgeon – apesar de curta duração. Mesmo assim todos eles foram golpeados em suas consciências antes de eles confiar o Salvador. Pessoas quem escusam seus pecados ou trata pecado levemente não experienciam conversões verdadeiras.

Muito bem. Eu estou agradecido que você finalmente sente convicção de pecado. Agora talvez você achará descanso em Jesus. Agora talvez você irá sentir Seu amor, que conduziu Ele à Cruz para salvar você – porque você não conseguiu salvar você mesmo! Então você irá sentir agradecimento ao Jesus, por morrer na Cruz como seu substituto, e derramar Seu Sangue para limpar você desde todo pecado! Então você irá sentir agradecido ao Jesus por resto de sua vida – porque você tem experienciado Sua graça, Seu amor, e Sua salvação em um real “Conversão de Crises” – o único tipo que muda o coração e salva a alma desde a ira de Deus! Eu espero que você veja como isto é diferente desde “Crendismo Fácil” e “Salvação de Senhorio.” E eu oro que isto será sua experiência enquanto você confia Jesus, e é limpado por Seu precioso Sangue! Então eu oro que você será capacitado de cantar com Charles Wesley,

Jesus, Amador de minha alma, Deixe-me ao Teu peito voar,
   Enquanto águas de cerca cair, Enquanto a tempestade está alto!
Esconde-me, O meu Salvador, esconde, Até a tempestade de vida é pasado;
   Seguro em refúgio; O recebe minha alma no mínimo.

Graça abundante com Ti é encontrado, Graça que cobre todo meu pecado;
   Deixe os correntes de cura abundar; Faça e sustenta me puro por dentro;
Vós de vida a arte de fonte, Livremente deixe me segurar de Ti;
   Salta Ti por dentro de meu coração; Levanta para toda eternidade.
(“Jesus, Lover of My Soul” por Charles Wesley, 1707-1788).

Se você gostaria de falar com nós sobre ser salvo desde pecado por Jesus, por favor deixe seu asento agora e ande para trás do auditório. Dr. Cagan levará você para outro quarto aonde nós podemos orar e conversar. Dr. Chan, por favor ore que alguém confiará Jesus hoje à noite. Amém.

(FIM DE SERMÃO)
Você pode ler sermões do Dr. Hymers cada semana no Internete
em www.realconversion.com ou www.rlhsermons.com.
Clique no “Sermão em Português.”

Você pode mandar correio eletrônico para Dr. Hymers em Inglês rlhymersjr@sbcglobal.net
– ou você pode escrever para ele a P.O. Box 15308, Los Angeles, CA 90015.
Ou liga ele para (818)352-0452.

Estes manuscritos de sermão não estão protegidos pelos direitos autorais. Você pode usar
eles sem permissão de Dr. Hymers. Porém, todos os messagens de video de Dr. Hymers
estão protegidos e pode somente ser usados por permissão.

Escritura Lido Antes de Sermão por Mr. Abel Prudhomme: Lucas 15:14-19.
Solo Cantado Antes de Sermão por Mr. Benjamin Kincaid Griffith:
“Jesus, Lover of My Soul” (por Charles Wesley, 1707-1788).

PRECAUÇÃO POR PREGAÇÃO EXPOSITIVA

por Iain H. Murray
(Fiduciário de Banner of Truth Trust)

Em um número de círculos hoje “pregação expositiva” está na moda, e isso está sendo encorajado sob pregadores como a maneira de pregar. Se isto significa que o negócio de um pregador é de confinar ele mesmo para o texto de Escritura, e fazer o sentido simples para outros, não existe nada mais para discutir; quem pode discordar de salvar aqueles quem não conhecem que a Bíblia é a palavra de Deus.

Mas “pregação expositiva” tem muitas vezes chegado a significar algo mais. A frase é popularmente usado para descrever pregação o qual consecutivamente guia a congregação através a passagem, ou livro de Escritura, semana por semana. Este procedimento é comparado com o método de pregação em texto individual que talvez não tem direto conecção com cada outra forma de um Domingo para o próximo. O segundo é desencorajado em favor de método “expositiva.”

Por quê esta perspectiva de “pregação expositiva” virou comparativamente popular? Existe várias razões. Primeiro, isto é acreditado que a prática irá elevar o padrão de pregação. Por o tratamento consecutivo de um livro de Escritura, é dito, o pregador dá voltas em círculos, e congregação é mais provável de ser dado um amplo, mais inteligente entendimento de toda Escritura. O pregador é também comunicado desde uma procura constante por textos – ele e o povo sabem o que está adiante eles. Estas razões são possivelmente confirmados por pregadores jovens pelo fato que em nossas convenções principais e conferências, locutores bem conhecidos geralmente tratam com uma passagem em poucos destinatários, e quando estes acham sua maneira em impressão, eles são recebidos como modelos de melhor maneira de pregação. Sermões publicados de qualquer outro tipo são poucas e longe entre, para publicadores definitivamente favorecer o “expositivo” por motivo de popularidade.1

Em nossa perspective, todavia, é tempo que as desvantagens de esta perspectiva de pregação é no mínimo considerado:

1.   Isto assume que todos pregadores são capaz de fazer sermões efetivos junto com estas linhas. Mas homem tem dons diferentes. Spurgeon não foi desconhecido com “pregação expositiva” (escutando aos sermões em sua juventude ele teve algumas vezes desejado os Hebreus haver guardado epístola deles ao eles mesmo!), e ele decidiu que isso não foi melhor adaptado ao dons dele. Existe razão para pensar que sendo um pregador efetivo de “espositivo” não é tanto um dom comum como alguns parecem de pensar. Até Dr. Lloyd-Jones estava 20 anos em seu ministério antes que ele devagarmente introduziu séries de “expositivo.”

2.   O argumento que o método “expositivo” é a melhor maneira para cubrir maioria da Bíblia é demais largamente conectado com a idéia que o primeiro propósito de pregação é de conduzir o mais possível da Bíblia. Mas esta idéia precisa ser contestado. Pregação precisa ser muito mais que uma agência de instrução. Pregação precisa atacar, despertar, e levantar homem e mulher para que eles mesmo tornam Cristãos brilhantes e estudantes diários de Escritura. Se o pregador concebe seu trabalho primeiramente em termos de dar instução, em lugar de dar estímulo, o sermão, na maioria das mãos, bem facilmente vira um tipo de “classe” semanal – o fim de próprio sermão. Mas pregação verdadeira precisa acender um processo avançado.

3.   Significativamente, as igrejas – particularmente na Escócia – uma vez distinguido entre “o sermão” e “a aula.” A palavra “aula” não foi usado em nenhum sentido pejorativo, isto simplemente significou o que é agora normalmente significado por “pregação expositiva,” em outras palavras, o tratamento consecutivo de uma passagem ou livro. O comentário de John Brown de Broughton Place, Edinburgh, originou em esta maneira. E também o trabalho de Lloyd-Jones sobre Romanos – ele chamou estes exposições de “aula”; a diferença entre um sermão e uma aula, em perspectiva dele, sendo que um sermão é inteiro arredondado, a mensagem distinta – completo para si próprio – enquanto que a aula sobre Escritura é parte de alguma coisa mais grande e progressivo. Em contraste com seu Romanos, Lloyd-Jones concebeu o conteúdo de seu Efésios como sermões, e qualquer um comparando seu procedimento em estas duas séries (o primeiro feito na noite de Sexta-feira, o segundo na manhã de Domingo) pode rapidamente ver a diferença. Isto não é de desvalorizar o Romanos, o propósito foi diferente.

4.   No final de dia, a melhor pregação é pregação o qual ajuda os ouvidores mais, e em esta conecção a trajetória de método “expositivo” consecutivo não é impressionante. Isto nunca tem provado popular em longo termo, e a razão por isto, eu penso, é claro: um sermão precisa de um texto como a base por uma mensagem memorável. O texto pode ser lembrado quando todo outro é partido na mente de ouvidores. Algumas vezes, isto é verdade, texto pode ser um parágrafo ao invés de versículo – uma parábola de Evangelho ou uma narrativa, por exemplo – mas se, enquanto acontece frequentemente com “pregação expositiva,” séries de versículos é regularmente criado “o texto,” então a série completa de idéias envolve-se no sermão, e deixa claro todos os ensinos (tanto como um pode ver nos sermões de Spurgeon) são perdidos. O pregador tem tornado somente um comentador. Algumas vezes ele até cessa de dar um texto desde a passagem que ele intenciona de tomar. Mas pessoas poderiam normalmente conseguir a mesma ajuda, e possivelmente melhor, por tomar um livro ensinando a mesma seção de Escritura. Mas, isto pode ser dito, “Efésios de Lloyd-Jones não é ambos pregação expositivo e textual? Ele reforça somente uns poucos pensamentos dominantes em uma vez, e ainda procede consecutivamente – por quê outros não fazem o mesmo?” A resposta é que Lloyd-Jones trouxe o textual e o expositivo junto em seu Efésios, mas isto é exatamente o tipo de pregação que não está entre o dom de maioria dos pregadores. Muitos novatos têm tentado de pregar versículo-por-versículo através de livros principais da Escritura com resultados quase-desastrosos. Isso é discutível que isto é um dos motivos porque pregação “reformado” tem, em mais de um lugar, sido criticado como “pesado” ou simplesmente “tedioso.” O menos ambicioso, quem também adota o modo “expositivo,” não faz tentativa de usar versículos únicos por textos deles, e isto é o perigo que tão fácil torna pregação e um comentário corredor.

5.   Pregação evangélica não encaixa da melhor maneira o modo “expositivo”; em fato, aonde o “expositivo” é exclusivamente usado, verdadeira pregação evangélica ao coração e consciência geralmente desaparece. Talves pode ser dito que se isto é verdade, isto é a culpa do homem, não a passagem, por não é toda Escritura dado por inspiração de Deus e eficaz? Certamente, isto é objetado, que toda Escritura pode ser usado de Espírito de Deus para despertar e alcançar o perdido? Pode ser, mas isto está claro desde Escritura que existe verdades particulares quase adotados para falar ao não-Cristãos (testemunhar o exemplo de nosso Senhor) e que é estas verdades, e os textos que sintentizam eles de melhor maneira, o qual tem prominência especial e regular em maioria de ministérios efetivos evangélicos. O homem quase usado na conversão do pecador no passado têm conhecido o que estes textos são — Whitefield, McCheyne, Spurgeon, Lloyd-Jones e uma hóstia de outros conhecidos. Hoje existe um certo perigo de eles ser esquecidos. Quando foi que você ouviu pela última vez um sermão sobre “Que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma”?


Isto não é um argumento que o conceito inteiro de pregação consecutivo através uma passagem é errado, simplesmente que isto não deve ser permitido de ter um lugar exclusivo em ministério de púlpito. Permite cada pregador encontrar o que ele é capaz de fazer o melhor, e deixar isto ser sempre relembrado que, qualquer que seja o método de apresentar a verdade, é pregadores cheio com fé e o Espírito Santo que são precisos quase em esta hora. Mais que ensinamento correto é preciso: nós precisamos mensagens que irá mover congregações e até influenciar comunidades.

Talvez ninguém deveria pensar que a observações acima são novos, eu fecho com a opinião de um dos grandes pregadores de último século, R. B. Kuiper. Seu biógrafo aponta que ele recusou de permitir o termo “expositivo” para ser aplicado somente nos sermões dados em forma de séries em passagens ou livros de Escritura. O mundo deve aplicar para toda exposição de Escritura merecer de nome. Ele continua:

“Isto segue que é um erro sério para recomendar pregação expositiva como um de vários métodos legítimos. Isto nem é todo satisfatório, depois do jeito de muitos conservadores, para enaltecer o método expositivo como o melhor. Toda pregação deve ser expositivo… Ele estava também oposto ao opinião geralmente mantenido que somente um comentário corredor sobre uma porção extendida da Escritura (um capítulo, talvez) poderia ser chamado pregação expositivo. A pregação de tipo comentário corredor tem certa falhas brilhantes, de acordo com Kuiper. O exegese tende a ser superficial, desde que tanto material tem de ser coberto. E estes sermões frequentemente faltam unidade, de forma que o ouvidor não tem idéia clara justamente que assunto o sermão é.”2

Qual que seja método o pregador adota, as palavras seguintes de Kuniper são relevantes por todos:

“Um simples…todavia entrega forte comanda ambos respeito e reação. Entusiasmo inspira. Lógica é convincente, a ilógica embaraçoso. Como pregadores vamos-nos ter um coração. Deixe-nos parar de cansar nossas audiências. Deixe-nos fazer nossa pregação tão interessante de forma absorvente que até as crianças iriam escutar à nós que desenhar figuras e irá então pôr em vergonha parentes deles que suportam papel e lápis. Mas nós talvez ajustar nossas mentes que um pré-requisito absoluto de tal pregação é o maior preparação meticuloso.”3

ANOTAÇÃO

1. Eu não sou necessariamente deplorando isto. Existe boas razões porque o “expositivo” apela na página imprimida, mas é perigoso de concluir que o que é melhor para leitores também é melhor para ouvidores. Ler e ouvir são duas coisas diferentes.

2. Edward Heerama, R.B., A Prophet in the Land (Jordan Station, Ontario [Paideia, 1986]), pp. 138–9.

3. Ibid, p. 204.


PLANO DE

A TERÇEIRA MANEIRA – CONVERSÃO DE CRISE

THE THIRD WAY – CRISIS CONVERSION

por Dr. R. L. Hymers, Jr.

“E disse: Um certo homem tinha dois filhos; E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda. E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente. E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades. E foi, e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos, a apascentar porcos. E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada. E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti; Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros” (Lucas 15:11-19).

(João 5:39, 40; Lucas 15:17; II Timóteo 3:15; Efésios 2:8;
Atos 16:31; Colossenses 1:17)

I. Primeiro, aqui está a descrição de “deprevação” do homem como revelado na terceira maneira de “Conversão de Crises,” Lucas 15:13; Isaías 53:3; Romanos 8:7; Efésios 2:1; Romanos 3: 9, 10; Isaías 1:5, 6; Lucas 15:15, 16; Efésios 2:2, 5; Lucas 15:24.

II. Segundo, aqui está a descrição de “despertamento” de um pecador à sua miséria, como revelado na terceira maneira de “Conversão de Crises,” Lucas 15:17; Efésios 5:14; Romanos 10:14; Lucas 13:24; Romanos 3:20; Lucas 15:17-18.